O senhorio de Cristo

(Foto: Voltamax / Pixabay)

(Foto: Voltamax / Pixabay)

Publicado em Quarta-feira, 17 Novembro de 2021 as 1:22

Tendo terminado de dizer tudo isso ao povo, Jesus entrou em Cafarnaum. Ali estava o servo de um centurião, doente e quase à morte, a quem seu senhor estimava muito. Ele ouviu falar de Jesus e enviou-lhe alguns líderes religiosos dos judeus, pedindo-lhe que fosse curar o seu servo. Chegando-se a Jesus, suplicaram-lhe com insistência: “Este homem merece que lhe faças isso, porque ama a nossa nação e construiu a nossa sinagoga”. Jesus foi com eles. Já estava perto da casa quando o centurião mandou amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não mereço receber-te debaixo do meu teto. Por isso, nem me considerei digno de ir ao teu encontro. Mas dize uma palavra, e o meu servo será curado. Pois eu também sou homem sujeito a autoridade e com soldados sob o meu comando. Digo a um: Vá, e ele vai; e a outro: Venha, e ele vem. Digo a meu servo: Faça isto, e ele faz”. Ao ouvir isso, Jesus admirou-se dele e, voltando-se para a multidão que o seguia, disse: “Eu digo que nem em Israel encontrei tamanha fé”. Então os homens que haviam sido enviados voltaram para casa e encontraram o servo restabelecido.” Lucas 7:1-10 NVI

Esta história envolvendo o Centurião e Jesus é repleta de revelações sobre o senhorio de Cristo.

A fé que o Centurião revelou possuir não estava baseada na possibilidade da cura de seu criado, mas na autoridade absoluta do Mestre.

Quando Jesus revela que nem mesmo em Israel havia encontrado tanta fé, Ele estava se referindo à revelação do reconhecimento de Sua autoridade, seu senhorio.

O centurião revela ter entendimento de ter autoridade e estar sob autoridade. Ele revela ter entendimento sobre o senhorio de Cristo.

Israel almejava um Salvador, mas não um Senhor! É assim hoje também.

Nós queremos alguém que nos satisfaça os desejos, mas não queremos alguém a quem nos submeter. Queremos alguém que nos salve e não que nos governe. O ato de submissão não é tão popular como deveria ser. É óbvio que a submissão a Cristo é voluntária, mas soa estranho aos ouvidos de algumas pessoas. Nós estamos mais familiarizados com a posição de senhores do que com a posição de servos. O entendimento de quem nós somos e de quem ele é é fundamental.

Vocês serão meus amigos, se fizerem o que eu ordeno.” João 15:14 NVI (se forem submissos)

1 Revelamos submissão ao Senhorio de Cristo quando praticamos a Sua Palavra.

Por que vocês me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que eu digo? Eu mostrarei com quem se compara aquele que vem a mim, ouve as minhas palavras e as pratica. É como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha. Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída. Mas aquele que ouve as minhas palavras e não as pratica é como um homem que construiu uma casa sobre o chão, sem alicerces. No momento em que a torrente deu contra aquela casa, ela caiu, e a sua destruição foi completa”. Lucas 6:46-49 NVI

- A prática da Palavra revela que levamos a sério as recomendações, orientações do Senhor. Revela submissão às Suas leis.

Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando vocês mesmos. Aquele que ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante a um homem que olha a sua face num espelho e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência. Mas o homem que observa atentamente a lei perfeita, que traz a liberdade, e persevera na prática dessa lei, não esquecendo o que ouviu mas praticando-o, será feliz naquilo que fizer.” Tiago 1:22-25 NVI

- A prática da palavra de Deus é mais do que ouvir, do que ler. É decidir que as escrituras se tornem nossa regra de fé e prática.

- É urgente voltarmo-nos para a prática da Palavra de Deus. Nos dias em que estamos vivendo, os ensinos bíblicos têm sido contestados e a prática da Palavra de Deus tem sido posta em causa. Nos diversos setores da sociedade a Bíblia tem sido rejeitada. Precisamos agir com firmeza e determinação no tocante à prática das Escrituras. “Feliz aquele que lê as palavras desta profecia e felizes aqueles que ouvem e guardam o que nela está escrito, porque o tempo está próximo.” Apocalipse 1:3 NVI

- A Bíblia Sagrada não é um livro antiquado e nem desatualizado, muito menos perigoso. A Bíblia é uma palavra transformadora. A Bíblia é um livro inspirado pelo Espírito Santo e só com a ajudada dele nós enxergámos o que realmente precisamos. Muitos questionam as Escrituras porque não têm a revelação da mesma e muitos não têm a revelação porque não têm o Espírito Santo, seu autor! “Nós, porém, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito procedente de Deus, para que entendamos as coisas que Deus nos tem dado gratuitamente. Delas também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com palavras ensinadas pelo Espírito, interpretando verdades espirituais para os que são espirituais. Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente.” 1 Coríntios 2:12-14 NVI

2 Revelamos  submissão ao Senhorio de Cristo quando ele se torna maior que as nossas tradições.

Vocês me chamam ‘Mestre’ e ‘Senhor’, e com razão, pois eu o sou. Pois bem, se eu, sendo Senhor e Mestre de vocês, lavei os seus pés, vocês também devem lavar os pés uns dos outros. Eu dei o exemplo, para que vocês façam como lhes fiz. Digo verdadeiramente que nenhum escravo é maior do que o seu senhor, como também nenhum mensageiro é maior do que aquele que o enviou. Agora que vocês sabem estas coisas, felizes serão se as praticarem.” João 13:13-17 NVI

- Não era nada normal um rabi lavar os pés aos seus discípulos. Normalmente os rabis eram servidos,  cercados pelos seus discípulos.  Jesus fez questão de mostrar que com ele era diferente! Ele afirmou que veio para servir!

O ato de lavar os pés aos discípulos chocou com as tradições daqueles tempos. Foi por isso que Pedro reagiu mal quando Jesus quis lavar seus pés.

- Senhor é tudo aquilo que nos domina e a quem servimos. Inclusive pode ser o dinheiro, põe exemplo. Os bens podem se tornar senhores da vida de muita gente.

Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará outro, ou se dedicará a um e desprezará outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”. Os fariseus, que amavam o dinheiro, ouviam tudo isso e zombavam de Jesus. Ele lhes disse: “Vocês são os que se justificam a si mesmos aos olhos dos homens, mas Deus conhece o coração de vocês. Aquilo que tem muito valor entre os homens é detestável aos olhos de Deus.” Lucas 16:13-15 NVI

- Existem coisas que praticamos por tradição e que poderá estar nos afetando e se tornando dominadoras de nossas vidas.

- Aceitar o Senhorio de Cristo implica em abandonar outros possíveis senhores. Não se pode servir a dois senhores!

Quem nos comanda, quem nos cativa a atenção? A quem temos nos dedicado com paixão? Qual tem sido nossa reação quando somos confrontados pela palavra de Deus quanto às coisas que nos dominam?

 Por Maurício Guedes, presidente da Igreja Presbiteriana Renovada de Portugal, Pastor na cidade de Almada – Portugal. Autor dos livros: “Geração Autêntica”, “Que Ele Cresça e Que eu Diminua” e “O Evangelho Que Pregamos”.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: A despedida de um guerreiro

Deixe um comentário