Não se envolva. Comprometa-se!

(Foto: Canva)

(Foto: Canva)

Publicado em Terça-feira, 18 Maio de 2021 as 1:27

Vivemos em dias onde a exigência pelo perfeccionismo é gigantesca, as pessoas estão em busca do melhor para si e para sua família, vivendo assim uma vida corrida, estressante, e desafiadora, e isso é salutar. Porém, devido ao alto nível de estresse e competitividade surgem também muitas murmurações e reclamações. Reclamam do trabalho, do governo, da igreja, da própria família e de tudo que vai contra o que "acham" ser o correto. E principalmente diante do cenário mundial que estamos inseridos, vivemos emocionalmente fragilizados.

Hoje o “TUDO” já não é mais suficiente, há uma busca incessante por querer mais. Vivemos em meio a pessoas que se apropriam de versículos bíblicos para respaldar suas insatisfações, como se Deus e os demais precisassem estar à disposição dela a todo instante no suprimento de suas necessidades.

Talvez você já tenha visto alguém citar Mateus 6.33 na versão “Buscai o reino de Deus e sua justiça e as demais coisas vos serão acrescentadas”. Mas em nenhuma versão da Bíblia existe “as demais coisas”, e sim “estas coisas”, que se refere ao que diz no versículo 31: comida, bebida e vestimenta. Então, vemos pessoas tristes e insatisfeitas com o que Deus não se comprometeu em dar. Mas em nome “das demais coisas” achamos que Deus irá “dar” o tudo que queremos.

Na obra do REINO, o Senhor procura e anseia por pessoas comprometidas que estejam dispostas a viver por Ele, para Ele e por meio Dele, e que verdadeiramente saibam viver com aquilo que lhe é dado, entendendo que tudo vem Dele.

Paulo era um homem extremamente comprometido com as coisas do reino de Deus, e seus valores eram bem diferentes das pessoas de sua época.

Filipenses 4:11-13 - Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. 12. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. 13. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. (grifo do autor)

Há uma grande diferença em estar envolvido, e de estar comprometido. O senso de pertencimento é muito diferente. O envolvido não se sente parte do todo, é apenas um figurante no cenário, por isso acaba reclamando e mururando demais. Enquanto a pessoa que se compromete ela se sente como uma peça fundamental para o sucesso do todo. E acredite, uma pessoa comprometida murmura menos, reclama menos, entendendo que o sucesso ou o fracasso, está ligado intimamente a ela.

Lembro-me de uma história que ilustra demais este pensamento. Certa vez em uma fazenda na hora do almoço, decidiram fazer ovos com bacon para o cardápio daquele dia. Ouvindo isso, o porco saiu desesperado e com muito medo, então a galinha foi consolá-lo, dizendo-lhe: Calma ‘seu’ porco, porque eu também vou ter que contribuir para que este prato seja feito. Mas o porco ainda muito nervoso lhe disse: É eu sei, mas para você não será muito sacrifício, pois você dará apenas o ovo, mas eu terei que dar minha vida. Entenda que a galinha estava envolvida, enquanto o porco estava comprometido.

Que mesmo diante deste cenário atual, onde precisamos todos os dias enfrentar os desafios para vivermos o melhor de Deus, possamos entender que apenas estar envolvido nos levará a uma vida superficial, o que gera ainda mais estresse e desgaste. Enquanto comprometer-se nos insere dentro do cenário como protagonistas de uma história que está sendo escrita por nossos “feitos”, o que nos dará motivos de celebrarmos cada vitória, com mais alegria e gozo.

Deus abençoe!

Alexandre Grego é Pastor, Bacharel em Teologia, Life Coaching, e escritor dos livros “Somos Flechas”, “E Urias?” e “Não existe família perfeita, existe família feliz”. Também é conferencista nas áreas de liderança e casais. Exerce sua atividade pastoral no Ministério Apostólico Koinonia, na cidade de Mogi das Cruzes/SP, é casado com a Pra. Marines Grego.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Heróis sem capa

Deixe um comentário