Cuidado com o fermento dos fariseus

(Foto: Crosswalk)

(Foto: Crosswalk)

Publicado em Sexta-feira, 26 Junho de 2020 as 12:32

Na nossa ansiedade acabamos por não perceber que muitas vezes questionamos o tempo de Deus, questionamos os planos de Deus. Temos dificuldade de compreender por que Deus permite que algo ruim aconteça e, ainda, que não aconteça algo que seja bom. O ruim é mensurado por nós e o bom também porque dentro da nossa limitação nós enxergamos o aqui e o agora. Mas Deus, dentro da Sua Onisciência, enxerga na amplitude da sua eternidade.

Deus tem tempo para realizar as nossas coisas. Deus tem o amanhã nas mãos Dele, mas Ele quer que estejamos focados no hoje. E no hoje nós vamos nos conformar em conhecer ao Senhor, porque só quando conhecemos podemos provar da Sua bondade, da Sua vontade e saber que a Sua bondade é eterna; ela dura para sempre. O próprio amor de Deus é alto, é profundo, é largo, é intransponível... e nós vamos provar também da Sua própria vontade que é boa, agradável e perfeita.

Por falta de autoconhecimento, muitas vezes nós não percebemos que trazemos o fermento dos fariseus para o dia a dia. Acumulamos mágoa, rancores, arrogância, imaturidade, impulsividade... O fermento dos fariseus nos faz ficar presos em um ‘aqui e agora’ de chateação, e não percebemos que deixamos de comer um pão fresco, um pão suave. Esse pão é o pão da vida. Jesus é o nosso pão da vida. Ele é o nosso paladar. Ele vai nos transmitir graça, crescimento, maturidade, desenvolvimento pessoal.

Nós precisamos nos conhecer e eu quero compartilhar com você que Deus pode fazer tudo num piscar de olhos. A palavra de Deus diz que é num piscar de olhos que nós veremos Jesus vindo nas nuvens. É como um relâmpago, mas não é assim que nós sentimos nos nossos equívocos emocionais, numa preocupação excessiva, na ansiedade. Aliás, o que é ansiedade? A ansiedade é uma preocupação do presente lançada para o futuro. Quando não temos ou entendemos que estamos sem o controle no dia de hoje e que não vamos conseguir fazer, nós jogamos para o futuro aquilo que estamos sentindo impotentes. Enfim, nesta pressa, neste estonteamento emocional nós acabamos não percebendo e achando que Deus é demora. Por que Ele, que tem o poder de fazer tudo num piscar de olhos, deixou Jesus ressuscitar só no terceiro dia? Deus estava vagaroso? Deus não estava nem aí com as situações? Não. Não é nada disso. O que acontece é que Deus tinha um trabalho a ser realizado, aonde nós não víamos o que estava acontecendo. Ele desceu até a mansão dos mortos, e Ele trabalhou porque havia pessoas que precisavam ser alcançadas pela vida. A ressurreição não agiria só sobre a Terra. Mas ela buscaria e daria a chance, a oportunidade e a vez a todos aqueles que já tinham morrido nos seus próprios delitos e pecados. Repito: A ressurreição não agiria só sobre a Terra, ela agiu também no Hades.

Outra coisa que é importante nós pensarmos: que algumas coisas demoram para serem feitas, parece que em algumas coisas Deus não está agindo porque, na verdade, nós não estamos vendo que Deus está trabalhando no nosso inconsciente, naquilo que nós não nos atentamos.

Eu hoje recomendo a você a jogar fora o fermento dos fariseus. Eu te oriento a desenvolver a atenção de ouvir o que você próprio fala, porque o que você fala mostra o que está dentro do seu coração. Deus não está atrasado nem está lento. Ele está apenas indo para os quartos escuros da sua alma para trazer o brilho do sol da justiça. Lembre-se que a vontade e Deus deve ser feita na terra como é feita no Céu. Mesmo que o Sol não saía, o Céu continua o mesmo. E o Sol não perde o seu brilho porque não saiu. Pense nisso!

O Pai ama você!

Por Darci Lourenção, psicóloga, pastora, coach, escritora e conferencista. Foi Deã e Professora de Aconselhamento Cristão. Autora dos livros “Na intimidade há cura”, “A equação do amor” e “Viva sem compulsão”.

* O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Anestesiados ou indiferentes?

Deixe um comentário