Deus não faz rodízio

(Foto: Getty)

(Foto: Getty)

Publicado em Quinta-feira, 21 Maio de 2020 as 12:37

A bíblia fala em milhões e milhões de anjos. Mas definições exatas não dá pra arriscar. Sabemos que batalhas foram vencidas com a intervenção de apenas um anjo. Quantos, no entanto, seriam necessários para dar conta de proteger toda população da terra, simplesmente não conseguimos explicar, calcular, responder.

Por outro lado, na perspectiva da Graça, resultados matemáticos perdem qualquer sentido. Isso fica bastante claro quando é feita a pergunta famosa: “Até quantas vezes devo perdoar o meu irmão, até sete?”. A resposta de Jesus foi bem mais que um cálculo, foi uma hipérbole para mexer com a compaixão e o amor: “Não te digo que até sete, mas até setenta vezes sete!” Em outras palavras o que Jesus respondeu foi que perdão não é pra ser calculado, é pra ser dado!

Então vamos tentar o exercício de colocar as lentes da Graça. Como dizia um antigo louvor que fez sucesso na interpretação da Banda Gerd, “Tem anjos voando em todo lugar...”, lembra? Pois é, os exércitos dos céus não estão em crise, muito menos precisando de reforços. Continuam invencíveis, imbatíveis, vencedores e, ao mesmo tempo, obedientes a voz de seu Senhor. Que também é nosso Senhor. Que a tudo e a todos governa. Entendeu? Tudo e todos.

Aqui se nos apresenta o problema, nem todos os anjos quiseram o governo de Deus, nem todos os homens querem o governo de Deus. A bíblia dá o nome de rebeldia pra tal comportamento e, segundo o texto sagrado, é um comportamento pior que a idolatria. É assim que o pecado e suas consequências enchem a terra com todas as formas de destruição.

Ficamos então indefesos? De forma alguma, Deus não faz rodízio. Já pensou se Deus só aparecesse, abençoasse ou defendesse os seus apenas em alguns dias da semana? Em determinados horários? Já pensou se Deus tirasse férias? Se resolvesse tirar um ano sabático em algum resort celestial? Já pensou?

Nada disso! Deus não faz rodízio! Ele cuida das aves dos céus, dos lírios do campo, dos animais nas florestas, das flores nos jardins, das árvores nas matas, dos peixes no mar, e isso Ele faz todos os dias. Não cuidaria Ele muito mais da obra prima da Sua criação? Apenas um sonoro SIM cabe como resposta!

Deus não se afastou, não se ausentou, não está indiferente. Ele está ativo e presente em cada médico, enfermeiro, bombeiro, socorristas, motoristas de ambulância, auxiliares de saúde, faxineiros dos hospitais e todos os profissionais que estão na linha de frente combatendo os males desta pandemia. Deus está nas lágrimas de cada familiar, está em cada trabalhador, em cada sofredor, em cada esperança que bate nos mais diferentes corações.

Ele não faz rodízio! Porque Ele não se cansa, nem se fadiga, pois o guarda de Israel não dorme, nem cochila, seus olhos passeiam por toda terra, examinando, vigiando, velando, procurando verdadeiros adoradores. Se um dia você já se declarou uma ovelha dEle, fique absolutamente tranquilo, porque das mãos dEle nada e ninguém conseguirá arrancar você, segundo palavras do próprio Cristo!

Apenas um último e fundamental detalhe. Ele não faz rodízio, portanto não caia no erro de você fazer. Sim, escolher um dia da semana, ou mesmo alguns, para lembrar-se do Seu Salvador, é como colocar-se em exposição ao mundo sem qualquer proteção. Enfim, afastar-se dAquele que não se afasta de você é brincar num rodízio perigoso, que mata a fé, mata a esperança e, ao cabo e ao fim, caso não se volte para um relacionamento honesto, sincero e diário com Ele, terminará matando a própria vida.

Edmilson Ferreira Mendes é teólogo. Atua profissionalmente há mais de 20 anos na área de Propaganda e Marketing. Voluntariamente, exerce o pastorado há mais de dez anos. Além de conferencista e preletor em vários eventos, também é escritor, autor de quatro livros: '"Adolescência Virtual", "Por que esta geração não acorda?", "Caminhos" e "Aliança".

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Onde fica a sua igreja?

Deixe um comentário