Nada menos que tudo

(Foto: Unsplash)

(Foto: Unsplash)

Publicado em Quinta-feira, 24 Setembro de 2020 as 12:48

Lamentações de Jeremias, de Maria, de João, de Aline, de Alexandre, de Marcia, de Rubens, de Alice, de Claudio, de Marcos, de... Escolha um nome, qualquer nome. Coloque antes do nome a expressão “Lamentações de...”, pronto, teremos livros diferentes ao relacionar as lamentações de cada um. Todos têm. Sofremos, choramos, suportamos dores, por isso lamentamos.

O problema é estacionar indefinidamente no lamento. Enquanto lamentos se traduzirem em desabafos, confissões e clamores honestos, terão sempre seu valor terapêutico de alívio, de leveza e de consolação. Porém, fazer do lamento repetitivo a ladainha de toda hora, todo dia, o tempo todo, poderá trazer as mais variadas doenças emocionais, enchendo a alma de fraqueza, de angústia, de escuridão.

Nesse ponto de conformação ao lamento muitos ficam seletivos no sentido do quê agradecer. Começam a departamentalizar a vida, dividindo-a por categorias e setores sobre o que agradecer, o que lamentar, o que reclamar, o que odiar, o que amar, o que rejeitar, o que abraçar. Complicando um pouco mais, os critérios passam a catalogar pessoas, quais abraçar, quais tolerar, quais odiar, quais gostar, quais perdoar, quais condenar.

A vida, neste ponto, fica totalmente técnica. Mecânica. Previsível. Calculada. Se recente de inspiração, de significado, de emoção, de surpresa, enfim, falta poesia. O salmista nos oferece uma poesia curadora e perfeita para a complexidade, a legitimidade e, por vezes, até as incoerências dos lamentos. E poesia que se vive é infinitamente superior a poesia que apenas se admira com rápidos suspiros. Precisamos viver uma vida que suspira pelo Senhor todos os dias.

O Salmo 103:1 oferece o remédio curador para ser ministrado junto a todo lamento sincero: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e TUDO o que há em mim bendiga ao seu santo nome.” Beba as palavras deste Salmo a cada manhã. O Espírito Santo não errou ao inspirar o poeta bíblico. Tudo é TUDO. O Espírito que habita em você sabe de absolutamente todas as dores, injustiças, humilhações e sofrimentos que você, muitas vezes em silêncio, enfrenta. Mesmo assim orienta a bendizer ao Senhor por TUDO.

Nada menos que tudo. Quando a conversão chega, Deus quer você por inteiro. Quando Jesus orienta a cada um negar a si mesmo e carregar a sua própria cruz, é negar-se por inteiro e suportar a cruz por todo o caminho durante toda uma vida, pois nEle sempre encontraremos alívio e descanso, sempre aprenderemos como viver, encarar, vencer, suportar. Lamente sempre que necessário. Mas não se esqueça de agradecer e de glorificar a Deus por tudo, pois Ele sabe o porquê de tudo e, no tempo perfeito, nos dará o entendimento e as bênçãos que tanto aguardamos. Paz!

Edmilson Ferreira Mendes é teólogo. Atua profissionalmente há mais de 20 anos na área de Propaganda e Marketing. Voluntariamente, exerce o pastorado há mais de dez anos. Além de conferencista e preletor em vários eventos, também é escritor, autor de quatro livros: "Adolescência Virtual", "Por que esta geração não acorda?", "Caminhos" e "Aliança".

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Melhor que sacrifício

Deixe um comentário