Lágrimas, a verdadeira adoração e o prazer do Pai

O Pai está em busca do nosso coração e das nossas emoções mais profundas. (Foto: Paulo Henrique Duarte Martins)

O Pai está em busca do nosso coração e das nossas emoções mais profundas. (Foto: Paulo Henrique Duarte Martins)

Publicado em Quinta-feira, 8 Novembro de 2018 as 2:05

Um rio de lágrimas, adoração transcendente e o prazer do Pai.

Os joelhos se curvaram, o coração despido, pingando em uma poça de lágrimas. Completamente sem entender o idioma, mas muito confortável. Uma terra estrangeira, canções cantadas em outra língua e completamente perdidas em palavras não compreendidas, no entanto correndo profundamente, até os ossos.

O líder da adoração chora. Eu caio no chão. A voz autêntica, tão rica, se torna ainda mais profunda. Perdido e queimando em seus braços, no abraço do Pai. Perdido, mas encontrado, descansando seguro na incerteza. O mistério que atrai profundamente o encontrar e saber tudo sobre Ele.

A verdadeira adoração transcende, ultrapassa a linguagem, vai além das palavras em uma tela, as luzes são radiantes, a fumaça se agita e o mais novo sistema de som vibra. Ignorando a atividade religiosa, esplendor e circunstância, estímulo e energia. Sabendo que não há nada de errado com inovação e excelência, esforçando-se para conhecer a própria habilidade e buscando uma maior criatividade na comunicação, mas procedendo com cautela, pois um coração correto pode levar a uma aplicação errada, simplesmente se perdendo em todo o processo.

A verdadeira adoração começa com uma questão do coração. Um amor despido e íntimo envolvido em emoções sinceras, alcançando as alturas do Céu e permeando o coração do Pai. Uma magnífica autenticidade expressa pela única razão de nossa criação, tudo por Ele e completamente sobre Ele.

No centro, verdadeira adoração, vulnerável, de um lugar de profunda emoção sincera. Tão carinhoso que corta o coração frio de pedra e liga diretamente ao céu. Deus deu emoções, conectando-se com Ele, para que Ele possa falar conosco e através de nós. É como um abraço da emoção misturada com a verdade.

Um passo adiante, leva a adoração a um estilo de vida, não encontrado em uma canção ou em uma mensagem. Estas são meras expressões, mas não verdadeira adoração. Encontrado e estabelecida em nossas vidas. Creio que esta é a ênfase do salmista quando ele escreveu: “Você não se deleita em sacrifício, ou eu o traria; você não tem prazer em ofertas queimadas. Meu sacrifício, ó Deus, é um espírito quebrado; um coração quebrantado e contrito Tu, Deus, não desprezarás.” Salmos 51:16-17

O Pai está em busca do nosso coração. Ele está em busca de nossas emoções mais profundas, ciumento por nossos olhos e pensamentos. Ele não está apenas após o nosso estudo bíblico de uma hora, no culto matutino de domingo, na reunião da noite de quarta-feira. Ele não está em busca do nosso dever religioso e atos de bondade. Coisas necessárias, mas se for feito sem coração, simplesmente não tem sentido. Isto é o que o salmista quer dizer quando declara: “Você não se deleita em sacrificar, ou eu traria isso…”, mas então ele nos dá a chave: “Meu sacrifício, ó Deus, é um espírito quebrado; um coração quebrantado e contrito Tu, Deus, não desprezarás.

Nosso sacrifício misturado com o coração é irresistível para Deus. É o seu deleite! Tudo o que fazemos deve ser de um lugar de coração em conexão com Deus. Tudo o que fazemos deve ser da revelação de um coração que foi redimido. Adore em espírito e em verdade, desde tocar um instrumento até dar um copo de água! Expressões de amor misturadas com o coração transcendem a atividade e permitem ao Céu beijar a terra e dar prazer a Deus!

Fogo e Amor,
Jason Lee Jones

 

*O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Deixe um comentário