Flores em Vida

(Foto: Pinterest)

(Foto: Pinterest)

Publicado em Terça-feira, 22 Dezembro de 2020 as 12:54

Se tem uma coisa que, sabemos, mas fomos relembrados durante todo esse ano é o seguinte: a vida é breve! O vírus que esteve tão longo no começo do ano, foi chegando perto e levando amados e queridos. Vidas se foram seja pelo COVID, seja por outra causa, mas o fato é que somos constantemente lembrados disso: a vida é breve.

Tem uma frase de uma música do Baruk que diz assim: “Não posso me esquecer, tenho que oferecer flores em vida enquanto é dia”. Essa é uma lembrança para todos os dias, uma lembrança para todos os segundos. Uma lembrança que precisamos ter mesmo depois que 2020 for uma memória antiga. Não podemos nos esquecer, é preciso oferecer flores, carinho, amor, bons momentos, graça, misericórdia enquanto há vida, enquanto há o respirar.

O fim do ano está aí, 2020 voou como todos os anos vêm voando, muitos não poderão ver suas famílias, não poderão encontrar os amados que é de costume encontrar nessa época, e muitos terão cadeiras vazias dos queridos que nos deixaram. Vale pensar sobre aquela briga que pode ser resolvida com um perdão, não vale? Vale pensar sobre os rancores, mágoas, e tantos sentimentos ruins que vamos levando de bagagem, que minam nossos relacionamentos, e além disso, nossa própria saúde mental! Jesus nos ama e nos perdoa todos os dias, ofereceu sua própria vida para nos salvar do pecado, por que não estendermos essa misericórdia a quem a precisa sentir?

Quando o sofrimento de agora ficar no passado, e nos reencontrarmos com todos, e nos aglomerarmos novamente, e o normal, ou novo normal se instaurar, vai ser fácil esquecer. Mas lembre-se, encontre uma maneira de lembrar: flores em vida! Ofereça amor agora, enquanto é dia, enquanto dá tempo!

Por Mariana Mendes, escritora e estudante de Letras. Trabalha com mídias sociais e fundou o canal EntreLinhas. Filha do Pai e filha de pastor. É apaixonada por ver a rotina com novos olhares.

* O conteúdo do texto acima é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: A arte de adorar

 

Deixe um comentário