Guerra das guerras

(Foto: Getty)

(Foto: Getty)

Publicado em Segunda-feira, 13 Janeiro de 2020 as 3:57

“Se você for à guerra contra seus inimigos…” (Devarim 21:10)

É MUITO INCRÍVEL quando você pensa sobre isso, como a ideia de guerra é uma parte tão ACEITA da história da humanidade. Nem sempre é uma parte QUERIDA da história, mas aceita, sim.

O que podemos fazer? Isso aconteceu tantas vezes, de muitas maneiras e em muitos lugares. E a energia que os abastece também não parece estar diminuindo neste estágio final da história. Na verdade, muitos estão “se preparando” para a maior e mais recente de todos os tempos, a Guerra de Gogue e Magogue.

A guerra começou cedo com o homem, logo após a expulsão do Jardim do Éden. Foi uma guerra pequena, mas mortal. Havia apenas uma vítima, Hevel, mas, como Rashi aponta, gerações de descendentes também morreram naquele dia, quando Hevel deixou este mundo sem filhos. Quando um homem é morto, toda sua progênie potencial morre com ele, e D-us toma nota disso.

Pense em todo o sangue derramado desnecessariamente ao longo de milhares de anos, todas as vezes que as famílias tiveram que lidar com a perda de entes queridos que morreram apenas por causa da guerra. Seria uma coisa boa se as pessoas morressem imediatamente. A dor seria apenas momentânea. Mas muitas vezes as pessoas não sofrem, e elas tiveram que sofrer terrivelmente por longos períodos de tempo.

O sofrimento não está apenas em um lado da arma também. Matar pessoas, tão rápida e facilmente como acontece nas telas de filmes, raramente é tão fácil na vida real. Mesmo tirar a vida de um inimigo ainda está se tirando uma vida. É uma coisa muito PESADA tirar a vida de uma criação de D-us, principalmente de um ser humano. Muitos assassinos iniciantes no exército acabam precisando de algum tipo de terapia.

 

Mas nem isso é tão ruim quanto quando uma pessoa se acostuma a matar outro ser vivo. Recentemente, foi contada uma história do Alter de Slobodka, que testemunhou um espancamento de judeus pela janela de seu escritório. Ele podia ouvir as ofensas anti-semitas sendo atiradas, enquanto os autores espancavam suas vítimas quase até a morte.

“Onde você vê a piedade nesses valentões?”, O Alter perguntou a seu aluno, que não via nada disso.

“A propósito, eles precisam primeiro desumanizar um judeu para infligir o dano. Caso contrário, eles teriam dificuldade em ferir outro ser humano.”

Mas os humanos têm a capacidade de ir além desse ponto e se tornar tão insensíveis que alguns podem até matar por dinheiro – matadores de aluguel. Mesmo os animais não fazem isso, o que significa que, se não estiverem com fome, as presas podem andar bem na frente deles e não atacarão.

E depois há genocídio, quando alguns tentam aniquilar a realidade de massas de pessoas. Uma coisa é que é ordenada DIRETAMENTE por D-us, mas outra coisa completamente diferente quando é uma decisão que os homens tomaram. Se D-us não chamasse Amaleque a soma total de todo o mal e ordenasse sua aniquilação, não teríamos sido capazes de fazê-lo por conta própria, não importa o quanto os odiamos.

Ironicamente, o único tipo de guerra em que lutamos todos os dias e que tem o maior potencial de destruir uma pessoa, não prestamos atenção nem notamos. Na verdade, é mencionado na própria palavra “guerra”, que é “milchamah”. Olhando atentamente para a palavra, fica claro que a raiz dela é outra palavra, “lechem”, que significa nada mais que “pão“.

O que o pão tem a ver com a guerra? Essa é fácil. Tem a ver com a sobrevivência, com a qual todos nós somos obcecados, porque estamos programados para sobreviver. A comida é uma parte central do nosso programa de sobrevivência e, quando isso é percebido como em risco, lutamos para protegê-lo.

Mas há outro nível nessa discussão também. Tem a ver com o que chamamos de “sobrevivência”, que tecnicamente pode ir muito além do que realmente é. Embora nossos yetzer haras possam nos convencer, com a ajuda de Marketing e Publicidade, de que não podemos sobreviver sem todo esse materialismo extra, a verdade pode ser, e geralmente é, MUITO diferente.

Como o Talmud adverte, é muito difícil comer em duas “mesas” ao mesmo tempo. Simplificando, a espiritualidade à custa do materialismo e vice-versa. Você pode ter AMBOS, mas sempre que você aumenta um, simultaneamente, e não necessariamente proporcionalmente, reduz o outro. Por mais que pareça o contrário, os judeus não tomam seu “bolo” e o comem também.

Bem, pelo menos não neste mundo. Este é o mundo em que assamos nosso bolo, e o próximo é quando o comemos. E é um bolo muito melhor do que qualquer outro que possamos encontrar neste mundo. Isso torna trágico que as pessoas estejam tão dispostas a “comer” neste mundo e sacrificar parte de seu “bolo” no próximo.

É uma batalha, com certeza, agora mais do que nunca. É como estar faminto e depois forçado a sentar em um restaurante de boa comida e não poder comer nada. Quão difícil é isso? Cruel. Isso costumava ser uma forma de tortura nos velhos tempos (e hoje acontece sempre que uma pessoa pobre caminha pela janela de um restaurante com o estômago vazio que nunca encheu).

Tudo se resume a quanto uma pessoa está disposta a comprometer-se, quanto “bolo” deseja comer neste mundo versus quanto deseja comer no próximo. Mas isso depende de quanto alguém realmente acredita que o mundo que está por vir é muito maior do que o que eles podem encontrar neste mundo. A maioria das pessoas nem pensa nisso todos os dias, muito menos sente como se estivesse em guerra com seu yetzer hara.

Numa das parashiot é tratado este assunto, e em Elul, por falar nisso, diz: “Pense nisso”. Especialmente no mundo de hoje, que é tão materialista e imerso em prazeres físicos. Como se para tornar as coisas muito mais complicadas, até os judeus religiosos hoje desfrutam de igualdade financeira e podem pagar muitos luxos que antes estavam disponíveis apenas para os gentios ricos.

Não se trata de pecar, por si só. Não se trata de comer carne de vaca para ter um bife melhor, ou ir a lugares que os judeus não deveriam ir por causa de problemas de modéstia. Inúmeros prazeres materiais podem ser facilmente desfrutados dentro de uma estrutura haláchica. Não se trata nem de ser um “menuvel beshesh haTorah”, como o Ramban fala no início da Parasha Kedoshim.

Em vez disso, trata-se de fazer menos neste mundo para ter muito mais no próximo, onde D-us REALMENTE deseja que nos divirtamos. Se tratasse de pecar, seria menos uma batalha, mesmo para o judeu religioso comum. Trata-se de ter menos do que é permitido, apenas para evitar o mérito destinado ao mundo vindouro. E essa é a maior batalha que temos que travar.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Descubra o Messias na Profecia de Miquéias 5:2 – Visão Rabínica e Cristã

Deixe um comentário