História de Purim: Estamos todos juntos nesta panela de barro

(Foto: Shema Ysrael)

(Foto: Shema Ysrael)

Publicado em Segunda-feira, 9 Março de 2020 as 3:47

Ish Yehudi haya b´Shushan HaBira ushshom Mordechi… Havia um homem Iehudi na cidade de Shushan e seu nome era Mordechai… (Ester 2:5)

Os Sefas apontam uma dinâmica crítica na “História de Purim”, que explica muito do nosso comportamento no dia de Purim. Mordechai foi o grande unificador do povo judeu. Como ele fez isso? Sendo um Iehudi! Como isso nos ajuda a entender alguma coisa? O Talmud diz que o título Iehudi, que é a fonte do nome “JUDEU”, é designado para alguém que nega a idolatria. O que significa negar a idolatria? Como isso está relacionado ao nome Iehudi?

A tribo que emana de Iehuda escreve seu nome exatamente da maneira que o nome do HASHEM é escrito (Yud- Hey Vuv Dalet- Hey), mas com um DALET perto do fim. É um título sagrado ser Iehudi porque o DALET representa humildade e também é uma porta. Um judeu é um agente que carrega o nome de HASHEM ao longo da história e uma porta para deixar a luz de HASHEM entrar neste mundo humilde.

Na época em que Mordechai foi introduzido no Megilla, ele era o último digno do título IEHUDI. Ele viu através de toda a intriga política. Ele entendeu que não há forças neste mundo independente da vontade do HASHEM. O Chovot HaLevavot diz que uma pessoa deve internalizar a noção de que ninguém pode ajudá-lo ou machucá-lo sem o acordo do HASHEM. Somos todos um em um com o HASHEM. Tudo isso estava claro para pelo menos uma pessoa e isso era Mordechai. Ele era o Ish Iehudi! Todo mundo estava distraído com o poder e a majestade de Achashveirosh e Hamã. Mordechai não ficou impressionado. Foi assim que ele se tornou o grande unificador.

Há um ponto em que estamos todos unidos e verdadeiramente um. Não pelos menores denominadores comuns, mas no ponto mais alto possível.

Assim como, por exemplo, todos os nossos telefones celulares são conectados por uma operadora comum. Existe um satélite em algum lugar de onde todas as nossas chamadas são lançadas. De uma maneira mais profunda, estamos todos conectados a uma fonte meta-cósmica comum, o HASHEM.

Logo antes de Hamã ter sua queda milagrosa, toda a nação de Israel se reuniu em oração para impedir a destruição iminente. Ao conectar todos a HASHEM, todos nos unificamos nesse denominador comum mais alto e todos nos tornamos Iehudim, como é dito na Megilla: “LaYehudim haisa Ohra – Para os Iehudim havia luz …” Todos agora entendiam o que Mordechai sempre havia percebido.

Portanto, damos presentes a Purim para recriar esse fenômeno de unidade e unidade mais uma vez. Reb Dessler ressalta em seu Kutres HaChessed que não damos apenas àqueles que amamos, mas amamos aqueles a quem damos. Quando dois átomos separados compartilham um elétron, eles formam uma nova combinação, como sódio e cloreto para criar sal. Em Purim, toda a nação judaica todos os Iehudim compartilham dinheiro e comida como nunca antes. Assim como um gigante Cholent, começamos a parecer um grupo de feijão, alho, carne, batatas e especiarias, mas quando a água começa a esquentar coisas legais começam a acontecer. Parte do sabor da carne é encontrada em todos os feijões e não há parte do Cholent que não seja melhorada pelo alho. Kol Israel Areivim zeh b’zeh. Os judeus são responsáveis ​​um pelo outro e nós nos adoçamos.

Quando Purim acabou, dinheiro e comida de todo o planeta literalmente uniram todos os Klal Yisrael de uma maneira palpável. Nós nos tornamos verdadeiramente um!

Este é todo o crédito e mérito perpétuo de Mordechai, o Iehudi, e este é o resultado altamente desejado de Purim e acontece quando percebemos que estamos todos juntos nessa panela de barro.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Malaquias, o mais misterioso dos profetas hebreus

Deixe um comentário