A Luz no fim do túnel

(Foto: Pinterest)

(Foto: Pinterest)

Publicado em Terça-feira, 15 Dezembro de 2020 as 1:59

E Elohim disse: “Haja luz” e houve luz. (Bereshit 1:3)

A história do mundo começa com uma inundação de luz Divina. Não podemos entender corretamente o que era esta luz sublime porque ela precedeu a criação das grandes luminárias. Obviamente, é um comprimento de onda ou uma dimensão de luz diferente do que experimentamos diariamente.

Aquele primeiro pronunciamento aberto de HASHEM foi então encoberto por véus e camadas cada vez mais espessas, até que HASHEM disse ao Seu mundo, como está escrito no Tratado de Chagigah, “DI” – “Chega”. O mundo naquele ponto era suficientemente denso e viscoso para que alguém andando neste planeta por 70 ou 120 anos pudesse passar seu tempo trabalhando, dormindo, comendo e navegando nos canais e nunca se perguntar seriamente: “De onde vem tudo isso?” No entanto, o mundo está tingido de admiração o suficiente para que alguém como Avraham Avinu e nós, seus filhos, possamos pedir com tenacidade suficiente para descobrir com certeza que HASHEM é o único autor da realidade.

As dez declarações que foram investidas na criação do mundo foram planejadas como um encobrimento para que o drama do livre-arbítrio possa se desenrolar. A palavra para “mundo” – “OLAM” realmente significa “eternidade” e também “oculto”, não porque estejamos nos escondendo de HASHEM, mas sim porque HASHEM está oculto de nós.

A história judaica também começa com uma explosão de luz. O Sefas explica que as dez pragas que afetaram o Egito foram um despir-se e uma reversão do encobrimento da criação. Não é um engano que a nona das pragas foi a praga das trevas que os livros místicos explicam como um aumento da luz. Muitos foram realmente cegados pela luz. Aqueles cujos olhos estavam se ajustando à realidade de HASHEM com as outras pragas se beneficiaram dessa luz. Outros que viviam em negação foram rapidamente oprimidos pela repentina verdade daquela luz, uma dissonância cognitiva espiritual.

Essa praga corresponde à segunda declaração da criação, “Haja luz …” O Talmud em Chagigah novamente explica que BERESHIT NAMI MAIMER … Bereshit “No início de …” – foi a primeira declaração geral. Portanto, a morte do primogênito se alinha com essa “declaração” de maneiras que reconheço que não posso explicar.

Então, com a entrega da Torah, o mundo foi novamente inundado com a luz Divina. A Torah testifica: “A nação viu os sons”. Eles foram capazes de ver o que normalmente é ouvido, enquanto HASHEM pronunciava as Dez Declarações! O que estava oculto, ligado à criação nas 10 expressões originais, foi posteriormente revelado nas 10 declarações, conhecidas como os 10 Mandamentos.

Nossos sábios nos dizem de muitas maneiras que a história terminará com uma exibição de luz ainda mais espetacular da Geula Shlaima – a redenção final. Por esse motivo, quando quebramos a matzá do meio no Seder de Pessach, colocamos a parte maior de lado para o final, porque o melhor ainda está por vir.

Lembro-me de um de meus Rebbeim descrevendo como estamos viajando através da história por um longo túnel. Na parte inicial de nossa jornada, estamos nos beneficiando e inspirados pela luz que vem desde o início. À medida que nos aproximamos do final de nossa jornada, começamos a sentir a luz do fim do túnel. É realmente a mesma luz, se você pensar sobre isso. Estamos confinados a um túnel míope de tempo e espaço.

Porém, há um ponto ao longo do caminho em que não há luz nem no início nem no fim. Esse lugar pode ser muito escuro e desanimador. É aí que Chanucá desempenha seu papel importante. Chanucá é uma ponte de luz durante os momentos mais sombrios da vida. Às vezes temos que fazer até conseguirmos, e Chanucá fornece a luz necessária para fazê-lo, ganhando inspiração até que possamos alcançar a luz no fim do túnel.

Chag Sameach Chanucá!

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Atmosfera de Chanucá

Deixe um comentário