Malaquias, o mais misterioso dos profetas hebreus

Ilustração do profeta Malaquias. (Foto: Biblos Foundation)

Ilustração do profeta Malaquias. (Foto: Biblos Foundation)

Publicado em Segunda-feira, 2 Março de 2020 as 12:14

Malaquias (Mal’akhiy) significa “meu mensageiro” ou “meu anjo” é um dos mais misteriosos profetas da Bíblia. Embora um porta-voz reverenciado de D-us, há poucos detalhes sobre ele fora das Escrituras.

Ele é o último dos Profetas Menores no Tanakh (Bíblia judaica), colocado nessa posição porque o judaísmo tradicionalmente acredita que a profecia cessou com ele e só será renovada na era messiânica.

No entanto, ele também é considerado por muitos como o último profeta antes da chegada de Iochanan o Imersor (João Batista) e Ieshua HaMashiach.

Malaquias profetizou no início do quinto século, quase cem anos depois dos profetas Ageu e Zacarias e durante os dias de Neemias (ver Ml 2:8 e Ne 13:15; Ml 2:10-16 e Ne 13:23).

NEEMIAS REPARA AS MURALHAS DE JERUSALÉM

Naquela época, o povo judeu havia retornado de seu cativeiro na Babilônia, os muros de Jerusalém e do Templo estavam sendo reconstruídos e, junto com um novo Santuário, a reinstituição da adoração no Templo.

Alguns estudiosos acreditam que Malaquias era um sacerdote entre os profetas, escribas e outros sacerdotes que foram expulsos do exílio e de volta a Judá por Esdras e Neemias.

Outros acreditam que ele pode ter sido apenas um homem comum falando a Palavra de D-us para a comunidade judaica que voltou para casa para reconstruir o Templo Sagrado.

Uma minoria de opinião no Talmud diz que Malaquias era na verdade Esdras, o escriba, ou talvez Mordechai, do Livro de Ester. Alguns estudiosos concluíram que os quatro capítulos de Malaquias foram realmente extraídos do livro de Zacarias.

Círculos ortodoxos afirmam que Malaquias era um membro do Anshei Knesset HaGedolah (Homens da Grande Assembleia) que foi fundada por Ezra por volta de 520 aC. Outros nesta assembleia de sábios da Torah eram Mordechai, Ageu e Zacarias. (Chabad; União Ortodoxa)

COMO VOCÊ NOS AMOU?

Apesar de terem retornado do exílio, as pessoas dos dias de Malaquias ficaram desapontadas, desiludidas e apáticas.

Sua apatia pode ser vista em seus seguidores indiferentes da Torah, e assim segue-se que eles estavam enfrentando a seca e o fracasso da colheita, e os inimigos continuaram a se opor a eles.

O povo clamou a D-us que aparentemente não está aceitando suas ofertas, explicando que os homens estão se divorciando das esposas de sua juventude para se casarem com mulheres de outras nações.

“‘O homem que odeia e se divorcia de sua esposa’, diz o IHVH, o D-us de Israel, ‘faz violência àquele que ele deveria proteger’, diz o IHVH Todo-Poderoso. Portanto, esteja em guarda e não seja infiel” (2:16).

Tal casamento com os adoradores de ídolos se tornou desenfreado e ameaçou o futuro de Israel:

“Você foi infiel a ela, embora ela seja sua parceira, a esposa do convênio do seu casamento”, diz Malaquias, acrescentando: “Aquele não foi o único que D-us te criou? Você pertence a Ele em corpo e espírito. E o que D-us procura? Prole divina” (2:14–15).

Enquanto uniões piedosas resultam em descendentes divinos que buscam e servem ao Senhor, parcerias ímpias resultam em crianças ímpias que profanam o santo nome de D-us:

“Judá foi infiel. Uma coisa detestável foi cometida em Israel e em Jerusalém: Judá profanou o santuário que o Senhor ama ao se casar com mulheres que adoram um D-us estranho” (2:11).

Parece natural que um povo que tenha um problema em amar e ser fiel a seus companheiros e questione o amor de D-us por eles. De fato, Malaquias começa suas repreensões registrando sua dúvida:

“Eu te amei”, diz o IHVH. “Mas você pergunta:” Como você nos amou?” (1:2).

O Senhor os lembra de como Ele os escolheu, os protegeu e os abençoou como descendentes de Abraão por meio de Ia´aqov.

Parece que eles esqueceram essa história sobrenatural de seu povo. Então o Senhor enviou Malaquias para avisá-los de que seu esquecimento e infidelidade estão causando sua ruína.

COMO TEMOS MOSTRADO DESPREZO PELO SEU NOME?

Nos dias de Malaquias, a infidelidade se estendeu ao sacerdócio. Em vez de proteger a santidade das leis cerimoniais que D-us havia encarregado os sacerdotes de manter, eles ofereceram animais feridos, coxos e doentes ao Senhor como sacrifícios e ofertas (Ml 1:6–2:9).

Isso equivalia a desprezar a D-us.

“Vocês são sacerdotes que mostram desprezo pelo meu nome. Mas você pergunta: “Como mostramos desprezo pelo seu nome?” “Oferecendo comida impura no meu altar” (1:6–7).

D-us responde: “Porque os lábios de um sacerdote devem preservar o conhecimento, porque ele é o mensageiro do IHVH Todo-Poderoso, e as pessoas buscam instrução de sua boca”.

Os sacerdotes deveriam providenciar ensino correto sobre os caminhos de D-us e ser exemplos vivos de santidade. Em sua corrupção, os sacerdotes estavam fazendo com que “muitos tropeçassem na lei” (2:8).

Malaquias 3:8-12

Porque os sacerdotes comprometeram-se em suas ofertas, o mesmo fizeram as pessoas; Malaquias 3:8–12 revela que as pessoas se tornaram negligentes no dízimo.

“Será que um mero mortal rouba a D-us? Ainda assim você me rouba. Mas você pergunta: “Como estamos roubando você?” “Nos dízimos e ofertas. Você está debaixo de uma maldição – toda a sua nação – porque você está me roubando. Traga todo o dízimo para o armazém, para que haja comida em minha casa. Teste-me nisto’, diz o IHVH Todo-Poderoso, ‘e veja se não vou abrir as comportas do céu e derramar tanta bênção que não haverá espaço suficiente para guardá-la‘ (Ml 3:8–10).

Esta profecia ainda é relevante para nós hoje. A fidelidade no dízimo levará a abundantes bênçãos.

Como participantes de uma Restauração da Aliança, os sacerdotes no ministério das Boas Novas ainda estão encarregados de apresentar a verdade de D-us e estabelecer um exemplo sagrado para o povo (Rm 15:16).

Esses sacerdotes são de uma linhagem espiritual – eles são todos os crentes em Ieshua HaMashiach.

“Você é um povo escolhido, um sacerdócio real, uma nação sagrada, a possessão especial de D-us, para que você possa declarar os louvores àquele que o chamou das trevas para Sua maravilhosa luz” (I Pe 2:9).

PREPARAI O CAMINHO DO SENHOR

Malaquias destaca os pecados que estão resultando em opressão de forasteiros, seca, fome e pobreza, levando à eliminação da prosperidade e da influência na região. Isso, o profeta advertiu, pediu um derramamento de arrependimento nacional, e para o povo se humilhar em oração. (1: 9)

Através de Malaquias, D-us revela que Ele irá reter Sua ira e restaurar Suas bênçãos se as pessoas retornarem a Ele. Se não, a destruição aguarda.

Mas Malaquias não é todo reprovação e julgamento. Ele também oferece esperança à nação de Israel, na verdade toda a humanidade, profetizando um reinado do Messias e do Seu reino milenar.

Em Malaquias 3:1, o profeta diz que um mensageiro prepararia o caminho para o Messias:

“Eu enviarei meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim”.

Ieshua identificou este mensageiro como Iochanan o Imersor quando citou este versículo em Malaquias, dizendo:

“‘O que você saiu para o deserto para ver? Uma cana balançada pelo vento? Se não, o que você saiu para ver? Um homem vestido com roupas finas? Não, aqueles que usam roupas finas estão nos palácios dos reis. Então o que você saiu para ver? Um profeta? Sim, eu te digo e mais que um profeta. Este é aquele sobre quem está escrito: “Eu enviarei o meu mensageiro antes de você, que preparará o seu caminho diante de você” (Lc 7:24–27).

No último capítulo de Malaquias, o profeta retorna ao tema do mensageiro. Neste capítulo, entendemos que Elias seria o precursor do Messias.

“Veja, eu enviarei o profeta Elias a você antes que venha o grande e terrível dia do IHVH” (Ml 4:5).

Ieshua disse aos seus talmidim que Iochanan, o Imersor, tinha vindo no espírito de Elijah.

“Pois todos os profetas e a lei profetizaram até Iochanan. E se você estiver disposto a aceitá-lo, ele é o Elias que havia de vir” (Mt 11:13–14).

Aqui estão algumas das maneiras que Iochanan veio como Elias:

- Ele se vestiu como Elias (II Rs 1: 8; Mt 3:4).

- Ele passou longos períodos de seu ministério no deserto (I Rs 17:3; 19:3–4; Jo 1:23).

- Ele desafiou o rei e repreendeu-o por sua esposa perversa (I Rs 18:17; Mt 14:3).

- Ele viveu sob ameaça de execução por causa da esposa do rei (I Rs 19:2; Mt 14:3).

- Ele levou as pessoas ao arrependimento dos pecados (I Rs 21:27; Mt 3:2).

- Ele preparou o caminho para o Senhor (Ml 4:5; Mc 1:3; Lc 1:17).

Certamente, Iochanan pregou uma mensagem de arrependimento e reconciliação, exatamente como Elias. Ele levou o povo da desobediência a um estado preparado para o Messias, assim como o anjo profetizou ao pai de Iochanan, Zacarias:

“Ele trará de volta muitos do povo de Israel ao IHVH seu D-us. E ele prosseguirá perante o IHVH, no espírito e poder de Elias, para converter o coração dos pais a seus filhos e os desobedientes à sabedoria dos justos – para preparar um povo preparado para o IHVH” (Lc 1:16–17).

Enquanto Iochanan preparou o caminho para a primeira vinda de Ieshua, podemos entender que ele também nos preparou para o retorno vindouro do Messias, que irá “repentinamente” reaparecer e entrar no Templo reconstruído.

“Eu enviarei meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim. Então, de repente, o IHVH que você está procurando virá ao Seu templo; o mensageiro da aliança, a quem você deseja, virá ‘, diz o Senhor Todo-Poderoso” (3:1).

Ao descrever seu retorno de repente, Malaquias está nos alertando para estarmos preparados para a vinda do Messias e não sermos pegos desprevenidos.

Contudo, parece que Ieshua não retornará até que um Templo esteja preparado para Ele, talvez o Templo que o profeta Ezequiel descreve no final de seu livro profético.

VOLTE PARA MIM E EU VOLTAREI PARA VOCÊ

Malaquias nos diz que quando nosso Messias vier, Ele será como “o fogo de um refinador”, purificando os servos de D-us como se alguém purificasse prata e ouro, para que as ofertas fossem novamente ser feito em pureza e santidade. (3: 2)

Mas para outros, Ele virá em juízo:

‘Eu serei uma testemunha rápida contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os perjuros, contra aqueles que exploram assalariados e viúvas e órfãos, e contra aqueles que rejeitam um estrangeiro – porque eles não Me temem’, diz o IHVH dos exércitos” (3:5).

No entanto, Malaquias compartilha a mesma esperança para todas as pessoas, como todos os profetas de D-us compartilharam conosco: “Retorne para mim e eu voltarei para você” (3: 7).

Podemos nos apegar a essa promessa todos os dias de nossas vidas. Como no tempo de Malaquias, “o IHVH ouviu e ouviu” os corações daqueles que temeram o Senhor. Ele viu seu sincero arrependimento e se desviou do pecado.

Como resultado, “um rolo de recordação foi escrito em Sua presença, concernente àqueles que temiam ao IHVH e honravam Seu nome” (3:16).

Desejamos de todo o coração temer ao Senhor honrando o nome Dele em nossos pensamentos e ações, de acordo com a vontade Dele, sem compromisso ou corrupção.

Esforcemo-nos por andar em santidade, tornando-nos verdadeiros filhos e filhas, até mesmo sacerdotes do D-us Altíssimo.

Para aqueles que escolhem o caminho do arrependimento e da santidade, Ele faz uma promessa de aliança:

“No dia em que eu agir”, diz o IHVH Todo-Poderoso, “eles serão minha posse preciosa. Vou poupá-los, assim como o pai tem compaixão e poupa o filho que o serve‘” (3:17).

“Diga ao povo: ‘Isto é o que o IHVH diz: veja, eu estou colocando diante de você o caminho da vida e o caminho da morte’” (Jr 21:8).

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O que significa ser um verdadeiro “amigo”?

Deixe um comentário