Palavras como flechas

(Foto: Oksana Volina/Shutterstock)

(Foto: Oksana Volina/Shutterstock)

Publicado em Terça-feira, 5 Janeiro de 2021 as 11:46

Há uma interessante interpretação midrashica de duas palavras na porção desta semana que parece contrastar fortemente com seu significado simples. Na verdade, superficialmente, a interpretação parece até contradizer os significados simples!

Ia´aqov abençoa os filhos de Iosef e então diz a Iosef, “quanto a mim, eu dei a você Shechem uma porção a mais do que seus irmãos, que eu tirei do Emorite com minha espada e com meu arco.”

Rashi explica que depois que os irmãos atacaram a cidade de Shechem em resposta ao ataque à sua irmã Deena, os Emorites, um país vizinho, tentaram conquistar Ia´aqov em seu momento de fraqueza, semelhante à adesão da Jordânia contra Israel na Guerra dos Seis Dias. Eles também foram derrotados milagrosamente.

Então Ia´aqov diz a Iosef que ele adquiriu aquelas terras com sua espada e arco. Mas Rashi e o Targum Unkeles, que é conhecido por sua tradução quase literal da Torah, desviam e traduzem as palavras arco e espada sob uma luz diferente. Rashi explica que eles são sabedoria e oração, e o Targum explica as palavras como duas formas de súplica.

A alegoria é compreensível. A oração certamente supera a pena em seu poder sobre a espada. E algumas orações, como uma espada, são fortes e abrangentes e afetam todos aqueles que atingem. Outros, como uma flecha, alcançam um ponto específico de uma longa distância. A questão é: sabemos que Ia´aqov orou. Claro, ele orou! As orações de Ia´aqov estão documentadas em todo o Livro do Gênesis. Ele ora ao longo de seus encontros com seus adversários, mas desta vez ele escolheu falar sobre suas proezas na batalha. Por que então traduzir sua expressão de utensílios de guerra como oração?

O Ponovezer Rav, Rabi Iosef Kahaneman, de abençoada memória, era conhecido por seus esforços na reconstrução da Torah das cinzas do Holocausto. Ele estabeleceu a joia da coroa da cidade da Torah de B’nai Berak ao construir a Ponovez Yeshiva e suas inúmeras instituições afiliadas. Ele construiu uma Yeshiva para pré-adolescentes, outra para rapazes e ainda uma terceira para estudantes casados. Ele construiu o Batei Avos, um enorme complexo habitacional com centenas de apartamentos subsidiados para famílias carentes. Ele construiu escolas para meninos e meninas órfãos em B’nei Berak, Ashdod e em várias cidades do Estado de Israel.

Frequentemente, ele visitava patrocinadores ricos nos Estados Unidos, Canadá, África do Sul e Europa e apelava para que contribuíssem com dinheiro para as Instituições Ponovezer.

A história é contada, talvez apocrifamente, que um determinado doador uma vez o confrontou de brincadeira.

“Por que, Rabino Kahaneman,” ele se perguntou, “que todos os outros Rabinos e Roshei Yeshiva que me visitam nunca mencionam dinheiro? Eles só falam sobre Torah e mitsvot. Mas você vem aqui e vai direto ao ponto. Você não fala sobre Torah ou mitsvot. Seu apelo, entretanto, é direto e direto ao ponto. Você vem aqui e diz que precisa de cem mil dólares para terminar uma escola para meninas em Ashdod. Por que você também não me faz um discurso sobre Torah, mitsvot e continuidade judaica?”

Rabino Kahaneman não recuou. Ele pegou a mão do homem e o olhou nos olhos. Então ele lhe disse uma declaração profunda. “Você me conhece bem. Muitos angariadores de fundos falam ‘Torah, Torah, Torah’, mas eles querem dizer dinheiro, dinheiro, dinheiro. Eu falo sobre dinheiro, mas quero dizer Torah, Torah, Torah.”

Nosso Chazal, que entendeu a essência do ser de Ia´aqov; que viu sua profunda fé em fugir de Esav, lutando com o anjo e enfrentando a tragédia de Siquém; e quem apreciou seu trabalho com Lavan, entendeu muito bem o que seu arco e espada eram. Eles estavam muito confortáveis ​​com a grandeza da personalidade de Ia´aqov, alguém imerso em uma espiritualidade constantemente conectada ao seu Criador.

Eles entenderam que quando Ia´aqov disse espada ele quis dizer o resultado rápido e afiado da oração, e quando ele disse arco e flecha ele quis dizer o grito agudo de súplica.

Cada palavra, até mesmo as palavras aparentemente mundanas, de nossos antepassados, foram o fundamento de nossa fé e estão cheias de significado espiritual. Tudo apontava para o Um Acima.

É quando nós, como seres temporais, pregamos a oração e esposamos a fé, que devemos ser suspeitos. Queremos realmente dizer oração e fé ou estamos apenas falando de oração, mas pensando em arcos e flechas?

A pergunta que fica é: o que estamos dizendo é o que pensamos ou estamos falando de forma figurada e pensando outra coisa completamente diferente? Nossas palavras podem e devem fazer toda a diferença tanto no mundo espiritual quanto no físico. Então, que tipo de palavras estão sendo ditas por nós?

Fica o aviso: tudo o que falamos um dia retornará para nós – mesmo que estejamos falando de forma não literal e desejando algo completamente oposto ao que dizemos. Por isso vamos ter cuidado com nossas palavras!

Tradução e adaptação: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O futuro próximo e distante

Deixe um comentário