Quando D-us diz “não”

(Foto: Crosswalk)

(Foto: Crosswalk)

Publicado em Segunda-feira, 3 Agosto de 2020 as 1:04

Va’etchanan (eu supliquei)

Dt 3:23–7:11; Is 40:1–26; Mt 23:31–39

“Também eu pedi graça ao IHVH no mesmo tempo, dizendo: Senhor IHVH! já começaste a mostrar ao teu servo a tua grandeza e a tua forte mão: porque, que Elohim há nos céus e na terra, que possa obrar segundo as tuas obras, e segundo a tua fortaleza? Rogo-te que me deixes passar, para que veja esta boa terra que está dalém do Jordão; esta boa montanha, e o Líbano!” (Dt 3:23–25).

Na porção passada, Devarim (palavras), Moshe contou aos israelitas a doação da Torah, a nomeação de líderes, os 12 espias que foram enviados em Canaã e a doação da terra no lado leste do Jordão, para as tribos de Reuben e Gad e a meia tribo de Manassés.

A porção desta semana começa com Moshe, lembrando como ele implorou a D-us para lhe permitir entrar na boa terra além do Jordão (Dt 3:23–27).

D-us, no entanto, recusou-se e instruiu-o a subir uma montanha para que ele pudesse ver a terra prometida.

“Sobe ao cume de Pisga, e levanta os teus olhos ao ocidente, e ao norte, e ao sul, e ao oriente, e vê com os teus olhos: porque não passarás este Jordão” (Dt 3:27).

A terra prometida era para Moshe sonho, visão e objetivo.

E depois de todo seu trabalho duro e todas as queixas e problemas que ele teve, não só ele não foi autorizado a entrar, mas ele teve que nemear e apoiar seu sucessor que iria — Iehoshua.

Aqui está um verdadeiro teste de nosso caráter: não só aceitar que não teremos o desejo do nosso coração cumprido plenamente, mas também ficarmos felizes para com aqueles que cumprirão, e até mesmo incentivá-los.

Ainda, imagine a decepção de Moshe não ser pessoalmente capaz de experimentar o cumprimento da promessa de D-us!

Como deve responder quando D-us diz não?

Às vezes, desesperadamente queremos algo com todo nosso coração e alma. Contestaremos com D-us várias vezes, mas no final, ele se recusa a conceder o nosso pedido.

Podemos aprender como reagir a estas situações através do exemplo de Moshe e até mesmo o rei David.

Quando seu filho recém-nascido de um caso de adultério com Bat Sheva adoeceu gravemente, David implorou a D-us para poupar a vida da criança. Ele jejuou e orou e se prostrou rosto no chão a noite toda (II Sm 12:16).No entanto, a criança morreu.

Como o rei David reagiu à decisão de D-us?

Quando David soube que seu filho estava morto, ele se levantou, se lavou e se ungiu, trocou de roupa e entrou na casa do Senhor e o adorou. Em seguida, ele foi para casa e comeu algo (II Sm 12:20).

Que imagem de submissão à vontade de D-us!

David percebeu que D-us em sua sabedoria tinha feito seu julgamento e ele aceitou, reconhecendo o governo divino e a soberania de D-us.

Na Brit Hadashah, vemos um exemplo de perfeita submissão em Ieshua o Ungido.

Mesmo ele encontrou a resposta “Não” de seu amado pai. No jardim do Getsêmani, Ieshua perguntou se a Taça do sofrimento poderia ser tirada dele.

“E, indo um pouco mais adiante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu pai, se é possível, passa de mim este copo; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Mt 26: 39).

Apesar de Ieshua estar triste e profundamente angustiado ao perceber o terrível sofrimento ele iria aguentar, até a morte numa estaca de execução romana, submeteu-se à vontade de D-us, dizendo:

“Pai meu, se este copo não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade” (Mt 26:42).

Em Hebraico, o Jardim de Getsêmani é chamado Gat Shemanim (prensa de óleo). Shemanim é o plural de shemen, a palavra hebraica para óleo.

Desde que o óleo represente a unção de Ruach Ha Codesh (Espírito o Santo), era um lugar apropriado para Ieshua submeter-se a vontade de seu Abba (pai) e receber uma unção para realizar sua vontde.

“Ainda que era filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu” (Hb 5:8).

O que podemos aprender de Moshe, David e Ieshua?

Aprendemos que haverá vezes que quando D-us é retumbante, não vai nos causar dor e tristeza. Também aprendemos que D-us diz não para uma variedade de razões; por exemplo, no caso de Moshe e David, seu pecado certamente desempenhou o papel principal.

No caso de Ieshua no jardim do Getsêmani, não era pecado que levou a D-us a dizer não, mas, pelo contrário, foi porque a vontade de D-us — a redenção da humanidade do pecado — era necessária para ser realizada.

Só Ieshua poderia cumprir a vontade de D-us.

Nestes exemplos, vemos também que se aceitar graciosamente e confiar na resposta de D-us, nossas provações podem refinar nosso caráter e nos fazer mais como Ieshua.

Podem todos ser sábios o suficiente para reconhecer quando D-us está dizendo “não”.

Encorajar a próxima geração

“Manda pois a Iehoshua, e esforça-o, e conforta-o; porque ele passará adiante deste povo, e o fará possuir a terra que vires” (Dt 3:28).

Assim como D-us disse a Moshe para encorajar Josué para atravessar o rio Jordão e tomar a próxima geração a terra prometida, nós também podemos ser chamados para passar a tocha da fé para a próxima geração.

Esta porção discute isto mesmo — a importância de incentivar e reforçar a próxima geração para seguir a D-us, talvez ainda mais plenamente do que nós!

Em Deuteronômio 4, D-us nos ordena a ensinar sua Torah para as gerações futuras: “Ensiná-los a seus filhos e para os seus filhos depois deles” (Dt 4:9).

Nosso observar e cumprir os mandamentos de D-us brilha como uma luz na escuridão… e é um testemunho de sabedoria e entendimento para as nações. E o povo de D-us certamente deve ser conhecido como um povo sábio e compreensivo.

“Guardai-os pois, e fazei-os, porque esta será a vossa sabedoria e o vosso entendimento perante os olhos dos povos, que ouvirão todos estes estatutos, e dirão: Este grande povo só é gente sábia e entendida” (Dt 4:6).

O Shema – Dt 6:4–9: amor e obediência!

“Aproximou-se dele um dos escribas que os tinha ouvido disputar e, sabendo que lhes tinha respondido bem, perguntou-lhe: Qual é o primeiro de todos os mandamentos?” (Mc 12:28).

Esta porção da Torah contém o Shema, a oração mais famosa no judaísmo, que atentos os judeus recitam diariamente:

“Shema Israel, Adonai Eloheinu, Adonai Echad” (Dt 6:4), que significa “Ouve, Ó Israel: o IHVH nosso D-us, o IHVH é um“.

A palavra hebraica shema não implica apenas ouvir, mas também ouvindo e agindo sobre o que é ouvido.

Ieshua destacou a importância desta passagem, quando os escribas perguntaram-lhe qual era o primeiro e mais importante mandamento. Ele respondeu, “Shema Israel…” (Mc 12:28–31).

O Shema é uma afirmação de princípios básicos da fé judaica. É também uma declaração de fé em um D-us para uma nação cercada por um mar de pagãos, adorando uma variedade de deuses falsos.

 

Os versos que seguem as palavras iniciais do Shema (ouvir, ouvir, fazer) é comumente chamado o V’ahavta (e Amarás). Ela expressa o direito de Israel a amar D-us com todo seu coração, alma e força.

“Amarás pois o IHVH teu Elohim de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder” (Dt 6:5).

O Shema reflete a primeira instância na história da humanidade que o amor de D-us foi exigido em qualquer religião. Na verdade, amor por D-us é a marca distintiva de um verdadeiro adorador.

O que é amar a D-us? Da primeira carta de João fornece uma resposta sucinta maravilhosa: “Porque este é o amor de Elohim: que guardemos seus mandamentos; e seus mandamentos não são pesados” (I Jo 5:3).

O V’ahavta (Dt 6:5–9) revela também que amar a D-us envolve o que dizemos. Precisasmos ensinar seus mandamentos para nossas crianças e falar sobre a palavra de D-us o dia inteiro.

“E as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te” (Dt 6:7).

Estamos mesmo usando os mandamentos para vinculamos a palavra de D-us como um sinal na nossa mão e entre os nossos olhos. Em outras palavras, amar a D-us envolve não só o que podemos dizer e ensinar, mas o que pensar e fazer.

“Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por testeiras entre os teus olhos” (Dt 6:8).

Os homens judeus observadores mantêm este mandamento literalmente com o costume de colocar Tefilin, caixinhas de couro que são postas na cabeça e braço.

Dentro destas caixas estão escritas as seguintes passagens:

    Kadesh (Êx 13:1–10), o dever do povo judeu para manter a Páscoa em memória da redenção da escravidão egípcia.

    VeHayah Ki Yeviacha (Êx 13:11–16), a obrigação de todos os pais judeus para ensinar seus filhos sobre a redenção do Egito.

    O Shema (Dt 6:4–9), um pronunciamento da unidade do único D-us.

    VeHayah Im Shamoa (Dt 11:13–21) , garantia de D-us que uma recompensa se seguirá a observância dos preceitos da Torah e aviso de retribuição por desobediência a eles.

O amor de D-us envolve onde vamos e como vivemos. Portanto, a palavra de D-us deve também ser escrita nos umbrais da porta da nossa casa e em nossos portões.

“E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas” (Dt 6:9).

Povo judeu observa esta parte do Shema pela aposição de uma Mezuzá (umbral) para o lado direito do umbral da entrada externa para cada habitação quarto da casa.

Um pergaminho é colocado dentro da mezuza na qual o Shema é cuidadosamente escrito à mão, bem como Dt 6:4–9 e 11:13–21. A palavra hebraica Shaddai (Todo Poderoso) é escrita no verso do pergaminho.

A Mezuza é um símbolo de cuidados atentos de D-us sobre a casa e os seus ocupantes. É um lembrete para todo mundo que entra e sai que esta casa é dedicada a D-us e a guardar seus mandamentos.

A Mezuza é em si uma declaração: “Eu e minha casa serviremos ao IHVH” (Js 24:15).

Por essa razão, muitos colocam sua mão na mezuza, ao passar pela porta. Em reverência a D-us, alguns depois de tocar beijam a mão que lhe tocou.

Haftara Va’etchanan (porção profética)

“Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Elohim. Falai benignamente a Jerusalém, e bradai-lhe que já a sua malícia é acabada, que a sua iniquidade está expiada e que já recebeu em dobro da mão do IHVH, por todos os seus pecados” (Is 40:1–2).

O Shabat desta porção é chamado Shabat Nachamu (Shabat de conforto), e é a primeira de sete Haftarahs de consolação que levam até ao feriado de Rosh Hashaná (ano novo judaico).

Porque a leitura profética para a porção Va’etchanan segue Tisha b’Av, que marca um tempo de julgamento severo contra Israel, ler a mensagem de D-us de conforto e encorajamento ao seu povo, Israel, por intermédio do profeta Isaías é algo alentador.

Todos aqueles que amam Jerusalém são ordenados a confortar Israel.

Até hoje, Isaías é uma voz clamando para confortar a Israel pelo sofrimento dela e a proclamar a ela a Restauração de Sião:

“Tu, anunciador de boas novas a Sião, sobe tu a um monte alto. Tu, anunciador de boas novas a Jerusalém, levanta a tua voz fortemente; levanta-a, não temas, e dize às cidades de Iehuda: Eis aqui está o vosso Elohim” (Is 40:9).

D-us está chamando seu povo nas montanhas de Israel para proclamar a boa nova a Jerusalém.

“Eis que o Senhor IHVH virá como o forte, e o seu braço dominará: eis que o seu galardão vem com ele, e o seu salário diante da sua face. Como pastor apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos, e os levará no seu regaço: as que amamentam, ele guiará mansamente” (Is 40:10–11).

Você será um m’vasseret Tzion (Mensageiro de Zion)?

“Abençoarei os que abençoarem a Israel” (Gn 12:3).

 Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Ieshua – um nazareno?

Deixe um comentário