Sua imagem divina

(Foto: Shema Ysrael)

(Foto: Shema Ysrael)

Publicado em Segunda-feira, 11 Janeiro de 2021 as 12:32

“E Ia´aqov deixou Be’er Sheva e foi para Haran. E ele chegou ao local e alojou-se ali porque o sol havia se posto, e ele pegou algumas das pedras do local e as colocou em sua cabeça, e ele se deitou naquele lugar. E ele sonhou, e eis! uma escada montada no chão e seu topo alcançou o céu; e eis que os anjos de D’us estavam subindo e descendo sobre ele” (Bereshit 28:10-12).

“E os colocou à sua cabeça: ele os organizou em forma de cano em volta de sua cabeça, porque temia os animais selvagens” – Rashi.

Nossos sábios nos dizem que Ia´aqov trabalhou dia e noite sem dormir por catorze anos na Yeshiva de Ever. Agora, de repente, ele estava adormecendo. Por que Ia´aqov colocou pedras em volta de sua cabeça para protegê-lo dos animais? Os animais não podem atacar facilmente o resto do corpo desprotegido?

Não é por engano que as coisas mais valiosas se encontram por trás das maiores barreiras. Ninguém vai entrar no Fort Knox porque existe muito ouro lá. De maneira semelhante, podemos observar na anatomia humana como o HASHEM projetou uma casca de coco para um crânio para proteger nossos cérebros.

Shlomo HaMelech afirma essa noção quando ele escreve em Mishlei: “De todas as coisas que você assiste, proteja seu coração (que = mente), porque isso é fonte de vida”. O Vilna Gaon explica que a palavra proteger – “Netzor” empregada para proteger a mente aqui, significa um grau extra de proteção. Então, as pessoas protegem seus filhos e guardam suas casas. Muitos cuidam seu dinheiro com grande zelo. No entanto, mais importante do que todos esses elementos valiosos, o mais sábio de todos os homens alerta, proteja sua mente porque dela flui a própria vida.

Eu já ouvira muitas vezes o rabino Avigdor Miller ztl, deu sua famosa aula de Torah numa quinta-feira à noite. Uma vez eu me aproximei dele mais tarde para fazer uma pergunta em particular, e esse encontro está gravado para sempre em minha psique. Um sujeito com quem eu estava aprendendo em Manhattan estava me contando sobre um amigo ortodoxo de sua infância que agora estava sofrendo de um problema pessoal. Ele me diz que o filho de dois ou três anos de idade estava agindo de maneira peculiar, então o levaram a um psiquiatra que determinou que a criança já não era do sexo certo.

Fiquei chocado ao ouvir isso, que tal avaliação poderia ser estabelecida como um fato indiscutível em uma criança tão jovem. As crianças nem sabem o que querem de um momento para o outro, então esqueça de confiar em saber o que querem de um dia para o outro, e certamente não o que querem por toda a vida. Quando eu era criança, eu queria ser um macaco ou super-homem, e ver como as coisas acabaram! Eu disse ao meu amigo que tentaria levar essa pergunta ao rabino Miller.

Imediatamente após a aula, fui até lá e sabia que tinha apenas um momento para expressar minha pergunta. Eu perguntei: “É possível que já se diga que uma criança pequena tenha uma confusão de gênero!?” Ele olhou para mim com olhos gentis, mas sérios, e disse: “Todos nós temos uma variedade de sementes de maldade no jardim de nossas personalidades. Você já olhou do alto de um prédio alto e pensou em se jogar para baixo!? (ele fez uma pausa dramática) Mas você não fez!?” Então ele se levantou com uma leve risada e se afastou.

Aprendi que a mente é um jardim. O Maharal explica que é por isso que a humanidade foi chamada de Adão, porque ele foi feito do pó da terra – “ADAMA”. Isso significa que ele é um potencial puro. Seu jardim tem que remover ervas daninhas e ser observado com muito cuidado. Quaisquer que sejam as sementes, quaisquer que sejam as ideias que surjam e se enraízem, podem se transformar em algo terrível ou algo grande.

Talvez seja por isso que a visão de uma escada se desdobre diante de seu olho interior, representando o potencial ilimitado do homem de alcançar desta terra escura e densa até as alturas do céu. Existem forças nos empurrando para cima e para baixo nesta escada e é preciso permanecer sempre vigilante. Talvez seja também por isso que naquele momento Ia´aqov estava protegendo todos os anos de investimento que ele colocara em sua mente na casa de seu pai Itshaq e na Yeshiva de Ever. Ele queria se proteger de animais selvagens, forças espirituais ultrajantes às quais ele poderia estar vulnerável enquanto dormia.

Mesmo se queremos dizer que ele estava realmente preocupado com animais físicos, sabe-se que até os animais selvagens têm mais medo das pessoas do que as pessoas jamais podem ter. Como Daniel na cova dos leões e o povo judeu entre as nações, um rosto sagrado e estatura nobre os impede de olhá-lo como um mero pedaço de carne. Quando a mente está protegida, ele mantém sua imagem Divina.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Palavras como flechas

Deixe um comentário