Uma oportunidade de ouro

(Foto: Shema Ysrael)

(Foto: Shema Ysrael)

Publicado em Segunda-feira, 3 Maio de 2021 as 2:10

Moshe monta toda a nação e cobra-lhes com trinta e nove categorias de trabalho proibido no Dia de Shabat. Das palavras que introduzem o mandamento para observar o Shabat, “Eileh Hadevarim Asher Tziva Hashem” – “Estas são as coisas que Hashem ordenou”, o Talmud deriva uma alusão às trinta e nove categorias de trabalho, o valor numérico de “Eileh” sendo trinta e nove. A parte restante do verso parece desajeitada. Referindo-se à diretiva que Hashem comandou, o verso afirma “La’asot Osam” – “para fazê-las”. Se Shabat é um dia de atividade reduzida, por que as restrições de Shabat são definidas como um ato de fazer? No que diz respeito a nenhuma outra diretiva, encontramos Moshe, abordando a nação como uma assembleia, um “Kahal”. Por que é necessário fazê-lo para o Mitzva do Shabat? Por que esta Mitzva é justaposta ao pecado do bezerro dourado? O Midrash refere-se que neste encontro Moshe institui a ordenação que toda comunidade é necessária para fornecer estudo comunitário das leis do Shabat sobre o Shabat. Qual é a justificativa para essa ordenança? Por que isso deve ser especificamente estudar comum? Por que o estudo deve ser particularmente das leis do Shabat?

O efeito de observar uma MITZVA é principalmente relegado ao indivíduo que a está executando. O desempenho do indivíduo de uma Mitzva tem um impacto insignificante sobre a comunidade; uma pessoa que mantém a comida Kosher não afeta a observância da comunidade das leis alimentares. O inverso também é verdadeiro; a observância da Comunidade de Kashrut não afeta a observância do indivíduo do mesmo preceito. A observância do Shabat é a exceção a esta regra. Um indivíduo que observa os Shabat cercados por outros que não, têm uma experiência muito diferente do que alguém que é cercado por uma comunidade observadora. Através de sua observância Shabat, cada indivíduo dentro de uma comunidade ajuda a criar o ambiente do Shabat que aumenta a todos os membros da experiência do Shabat da Comunidade. Por outro lado, a profanação individual do Shabat tem um efeito adverso sobre toda a comunidade. A obrigação de observar o Shabat requer que uma pessoa crie um ambiente de Shabat. Portanto, o verso afirma “La’asot Osam” – “para fazê-los”; Moshe está instruindo a comunidade judaica para criar o Shabat. (Em Yiddish, uma linguagem que é repleta de expressões que oferecem insights valiosos sobre a psique e religião judaica, há um ditado “Yeder Eine Macht Shabat Far Zich Alein” – “Cada pessoa está fazendo o Shabat para si mesmo”. Esse idioma é usado descrever as pessoas que estão preocupadas apenas com o seu próprio bem-estar e não com o bem-estar dos outros.)

O pecado do bezerro dourado foi resultado da necessidade humana de se conectar a um objeto tangível e concreto. É difícil para o homem perceber uma entidade que ele não pode ver ou tocar. Portanto, o homem tem necessidade de símbolos que ele se anexa e com o qual ele pode identificar. Independentemente de quão longe uma pessoa está da observância judaica, a iluminação de velas de Chanukah ou sentada em um seder de Pesach haverá sempre vestígios de sua observância, pois são símbolos através dos quais uma pessoa se sente conectada.

Quando Moshe está no meio de Bnei Israel, eles se sentem ligados a Hashem através dele. Temendo que ele morreu, Bnei Israel exige um substituto através do qual eles podem mais uma vez se sentirem conectados a Hashem. O bezerro de ouro é este substituto.

Outro símbolo que é fundamental para permitir que uma pessoa sente sua conexão seja seu ambiente. Depois que o pecado do bezerro de ouro, Hashem instrui Moshe a ensinar Bnei Israel como criar um símbolo permitido através do qual eles podem se sentir mais próximos dele. Shabat é o preceito que atesta o Hashem sendo o criador do universo e seu envolvimento contínuo na manutenção do mundo. Participar da criação do ambiente de Shabat permite que cada indivíduo se sinta conectado uns aos outros e ao Hashem.

Muitos dos requisitos dos Shabat são designados para estabelecer a atmosfera necessária para criar o ambiente de Shabat, as velas, roupas especiais e delícias, sendo alguns exemplos. O estudo comunitário de Moshe está instituindo as leis do Shabat destina-se a ajudar na criação do ambiente Shabat. Ter toda a comunidade se reúna e estudar as sutilezas e nuances da observância Shabat efetivamente aprimora a atmosfera deShabat.

Moshe reúne Bnei Israel juntos como uma comunidade após o pecado do bezerro dourado para ensiná-los a criar uma relação tangível com Hashem. Comemorando os Shabat em um nível comunitário é a maneira mais eficaz de estabelecer o símbolo através do qual podemos nos conectar ao nosso criador.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Pulo de amor: ‘Ame seu vizinho como a você mesmo’

 

Deixe um comentário