Uma paz separada

(Foto: Shema Ysrael)

(Foto: Shema Ysrael)

Publicado em Segunda-feira, 14 Setembro de 2020 as 12:51

“Se andares nos meus estatutos e ouvires os meus mandamentos…” (Levítico 33:3).

Esta porção da Torah concede sua promessa de bênção e paz àqueles que seguem o caminho da Torah. Rashi fica incomodado com a aparente redundância de andar em estatutos e atender aos comandos. Ele explica que “andar em meus estatutos” refere-se ao árduo estudo da Torah, e “atender meus mandamentos” refere-se a manter as mitsvot.

E então há paz. Hashem promete que, se aderirmos às diretrizes, “trarei a paz à terra” (ibid v. 6). No mesmo versículo, a Torah também nos diz que “uma espada não passará por sua terra”. Na paz, então, obviamente, uma espada não vai passar. Qual é o significado da redundância? Mais uma vez, Rashi explica que a “espada que passa” está se referindo a uma espada que não é dirigida contra nosso povo; pelo contrário, é uma espada que está passando no caminho para outro país. Assim os dois tipos de paz.

Mas talvez haja um tipo diferente de paz; um que não se refere a armas e munições, mas sim a uma paz que está em outro nível.

Rav Yitzchak Zilberstein de B’nei Berak conta a história do Rav Eliezer Shach, o Ponovezer Rosh Yeshiva, de abençoada memória.

Rav Shach uma vez entrou em uma sinagoga e sentou-se em um assento na parte de trás, e, enquanto aguardava o início do minyan, Rav Shach começou a estudar a Torah. De repente, um homem se aproximou dele, com as mãos nos quadris, e começou a gritar com ele.

“Você não sabe que está sentado no meu lugar?”, gritou o homem irado.

“Quem é você para vir aqui e apenas sentar, sem pedir permissão a ninguém?”

Rav Shach rapidamente se levantou e abraçou o homem. Ele o abraçou carinhosamente enquanto implorava perdão ao homem. Ele concordou com todos os pontos do homem irado.

“Eu sinto muito por tomar o seu lugar, mesmo que fosse por alguns momentos”, ele implorou. “Por favor me perdoe. Eu devo ter distraidamente sentado lá. Por favor me perdoe”.

O homem ficou surpreso com a humildade de Rosh Yeshiva e imediatamente pediu desculpas por seu comportamento rude.

Depois do desalento, os estudantes de Rav Shach se aproximaram dele e perguntaram por que ele “tão prontamente aceitou a culpa e implorou perdão pelo que certamente não foi um crime”. Afinal, por que ele não deveria poder sentar-se no banco? Rav Shach explicou: “Se a Torah é tudo que se aspira a ter, então tudo mais neste mundo, todos os itens com os quais alguém normalmente brigaria não têm significado”. Quando alguém está imerso na Torah, um assento não tem sentido, um lugar não tem sentido. Certamente, um objeto material não vale a pena ficar aborrecido, certamente não vale a pena brigar. Por que não devo me desculpar?

A Torah nos diz um segredo para a paz em nossa comunidade. Se nos esforçarmos na Torah, haverá paz na terra. A Torah está nos dizendo que, se mergulharmos na Torah, todos os objetos temporais que são o fulcro da maioria das lutas não têm sentido.

Pensamos na paz como um conceito que ocorre entre as nações. No entanto, muitas vezes esquecemos que o que precisamos é de paz dentro de nossa própria comunidade. Uma paz separada.

Completando este pensamento vem a pergunta? Quem poderá nos dar a paz que tanto necessitamos? A resposta é: Ieshua.

Ele nos disse assim: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” Jo 14.27.

O que a tradição diz é justamente isso: que existem dois níveis de paz – shalom. Um deles é simplesmente a ausência de guerras e conflitos; o outro está num nível muito maior que é justamente este que Ieshua descreve. A shalom aqui é a presença do próprio Eterno na vida de seus servos, o que transcende a qualquer outra coisa conhecida no mundo até então. Esta presença se dá através do Espírito o Santo, que nos foi dado após a morte e ressurreição do Ungido. “Todavia, digo-vos a verdade: que vos convém que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; porém se eu for, enviar-vo-lo-ei” Jo 16.7.

Por isso devemos buscar as coisas espirituais e não somente aquelas que podem nos “satisfazer” de forma imediata aqui, pois mesmo estas nos causam tédio; após adquirirmos algo, isso logo cai no âmbito do comum e nos cansamos daquilo.  A shalom é diferente. Ela nos preenche em todos os sentidos da vida e nos leva a plenitude, fazendo com que estejamos cada vez mais próximos de nossa origem, o Criador.

Então vamos seguir os conselhos de Ieshua – e da tradição judaica que acompanha o Seu pensamento – e busquemos as coisas que são do alto a fim de que tenhamos esta shalom permanentemente em nossos corações e em nossa vida.

Baruch ha Shem!

Adaptação: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: A essência do Santo dos Santos

Deixe um comentário