A importância do planejamento financeiro segundo Deus

(Foto: Crosswalk)

(Foto: Crosswalk)

Publicado em Quarta-feira, 12 Fevereiro de 2020 as 2:28

Ainda acompanhando José, filho de Jacó, eu gostaria de conversar com você sobre planejamento. Você é uma pessoa que planeja a forma como vai usar o dinheiro? Se ainda não faz isso, hoje é o dia para você começar.

É importante enten­der uma coisa: Deus faz a parte dele e você faz a sua, e sua parte é planejar a partir do plano que vem do próprio Deus. Não um plano que sai de sua cabeça, mas que é dado por Deus.

Veja ver como isso aconteceu na vida de José. Quando José interpretou o sonho do faraó, ele deu dois conselhos ao faraó. Quais foram? O primeiro foi: Será bom que o senhor, ó rei, escolha um homem inteligente e sábio e o ponha para dirigir o país (Gênesis 41.33).

Você deve lembrar-se de que o faraó chegou à conclusão que José era esse homem. Veja agora com que critério e sabedoria José cuidou do planeja­mento. Note isso no segundo conselho que ele deu ao faraó. Ele disse assim: O rei também deve escolher homens que fica­rão encarregados de viajar por todo o país para recolher a quinta parte de todas as colheitas durante os sete anos em que elas forem boas. Durante os anos bons que estão chegando, esses homens ajuntarão todo o trigo que puderem e o guar­darão em armazéns nas cidades, sendo tudo controlado pelo senhor. Assim, o mantimento servirá para abastecer o país durante os sete anos de fome no Egito, e o povo não morrerá de fome (Gênesis 41.34-36).

Isso é essencialmente planejamento. Ou seja, fazer esto­ques no período de fartura e usar esses estoques quando vierem os anos de fome.

O faraó acatou o conselho de José e colocou-o no comando de toda a terra do Egito.

Bem, até agora falamos de planejamento na teoria, mas dê uma olhada no que aconteceu quando José assumiu de verdade como governador. A Bíblia diz assim: José tinha trinta anos quando entrou para o serviço do rei do Egito. Ele saiu da presença do rei e viajou por todo o Egito (Gênesis 41.46).

Perceba: José sabia que viriam os sete anos de fartura, certo? Mas você acha que ele ficou apenas esperando a bênção chegar? Nada disso, ele foi percorrer todo o Egito, planejando a melhor maneira de estocar o trigo.

E veja agora qual foi o resultado desse pla­nejamento. Durante os sete anos de fartura a terra produziu cereais em grande quantidade. E José ajuntou todos os cereais e os guardou em armazéns nas cidades, ficando em cada cidade os cereais colhidos nos campos vizinhos. José ajun­tou tanto mantimento que desistiu de pesar, pois não dava mais: parecia a areia da praia do mar. (Gênesis 41.47-49).

E quando a fome chegou, aconteceu o seguinte: Então acaba­ram-se os sete anos de fartura no Egito e, como José tinha dito, começaram os sete anos de fome. Nos outros países o povo pas­sava fome, mas em todo o Egito havia o que comer (Gênesis 41.53,54). Veja como é bom planejar.

Conclusão: O planejamento financeiro deve fazer parte do seu dia a dia. Elabore e implemente um plano de gas­tos para sua vida financeira. Comece a anotar sua renda e os gastos durante 30 dias e partir daí faça um estudo detalhado de como vai usar o seu dinheiro da maneira como a agrada a Deus. Use os princípios que tem aprendido aqui para detalhar o seu plano de uso do dinheiro. E bom planejamento!

Por Paulo de Tarso, pastor, engenheiro e mestre em Teologia.  Fundador do Ministério Finanças para a Vida, que ensina pessoas de todas as idades a administrar o dinheiro de acordo com a Bíblia. É autor dos livros “Sucesso Financeiro” e da série “Finanças em Ação”.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Sabedoria

Deixe um comentário