Casal cuidou de mais de 170 bebês recém-nascidos que seriam abortados

Durante 36 anos, Burrel Lankford e sua esposa (agora falecida) cuidaram de mais de 170 bebês que teriam sido abortados. (Foto: Kut FM)

Durante 36 anos, Burrel Lankford e sua esposa (agora falecida) cuidaram de mais de 170 bebês que teriam sido abortados. (Foto: Kut FM)

Publicado em Segunda-feira, 1 Julho de 2019 as 9:34

Ao longo de 36 anos, Burrell e Leanna Lankford receberam um total de 173 recém-nascidos em sua casa. Esses bebês teriam sido abortados, mas as mães biológicas desistiram do aborto e, sem condições de criá-los, os entregaram para adoção.

Tudo começou em janeiro de 1976, disse Lankford à emissora de rádio americana KUT-FM. Olhando para trás, o nativo de Austin, Texas (EUA) de 77 anos, disse que sua esposa, que morreu há cinco anos, trouxe a questão para a família e decidiu que ela queria ser uma mãe adotiva temporária. A ideia era que sua casa recebesse bebês recém-nascidos, até que eles encontrassem uma família que os adotasse legalmente.

“Então ela perguntou a mim e aos nossos filhos, se nós estávamos interessados ​​e todos disseram 'sim”, contou ele.

O cidadão local Mark Charbonneau descobriu a incrível história de Lankford, quando um de seus vizinhos decidiu visitar o viúvo um dia e notou algo único: havia fotos de bebês em toda a casa.

“Olhando para o número de fotos, ela fez uma pergunta: 'Uau, quantos bebês são?'”, perguntou Charbonneau ao vizinho. "Ele disse: 'mais de cem'"

Charbonneau, que é pai de três filhos pequenos, disse que o fato de os Lankfords cuidarem de 173 bebês ao longo de suas vidas "incomodou" sua mente. Então ele pediu à KUT-FM para destacar a incrível história de vida do casal durante no programa “Hi, Who Are You?” (“Olá, que é você?”).

Ele descreveu a abnegação de Lankford como "um legado incrível".

Por sua parte, Lankford insiste que adotar tantos bebês não foi realmente um inconveniente, porque eles simplesmente se acostumaram.

"Alimentar, tomar banho e vesti-los", disse ele. "Você tem que dar todo o crédito para as mães adotivas. No meu caso, trabalhei durante o dia. [Minha esposa estava] em casa o dia todo, cuidando dos bebês. ”

Com dois filhos biológicos, Lankford disse que a família cuidava de seus negócios normais, enquanto os bebês acabavam de ser acompanhados. Houve várias vezes, na verdade, em que a família teve três bebês ao mesmo tempo.

Lankford admitiu que isso tornou a vida bastante "ocupada".

"Nós tínhamos uma fileira de assentos de carro no banco de trás", lembrou ele. “Eventualmente, nós temos uma van. Isso facilitou o transporte desses três assentos de carro ”.

No geral, porém, a família valorizava a experiência. Houve, no entanto, alguns momentos muito difíceis. Algumas das crianças que eles criaram, disse Lankford, nasceram com drogas em seus sistemas biológicos.

Desafios

Mas a parte mais difícil era dizer adeus os bebês quando era oficialmente adotados. Não importava quantas vezes eles fizessem isso, nunca se acostumavam.

"Nosso primeiro bebê a longo prazo, quando o bebê foi embora, foi difícil para todos nós da família", disse Lankford. "Isso dói. Quer dizer, você se prepara tanto, depois se encarrega de cuidar desse bebê, se apega a ele e então ele(a) vai embora”.

"Isso só te leva às lágrimas", acrescentou.

Apesar disso, ao recordar sua jornada de 36 anos com sua falecida esposa, Lankford recordou apenas uma preocupação: temia que Leanna quisesse adotar legalmente todas as crianças que chegassem à sua casa.

“Eu tive essa visão de ter que levar a minha família em um desses grandes ônibus escolares amarelos”, ele brincou.

Agora, ao lado de seu trem modelo - um projeto no qual ele trabalha desde os 6 anos de idade - Lankford disse à KUT-FM que ele espera que ele e sua esposa "tenham feito a diferença".

"Não sabemos se realmente fizemos", continuou ele, "mas esperamos que sim".

Deixe um comentário