Cientistas plantam sementes da época de Jesus com nomes bíblicos

Sementes de tâmaras. (Foto: Guy Eisner/Science Magazine)

Sementes de tâmaras. (Foto: Guy Eisner/Science Magazine)

Publicado em Terça-feira, 11 Fevereiro de 2020 as 8:50

Um punhado de sementes de frutos de tâmaras de 2.000 anos foram plantadas e cultivadas com sucesso no sul de Israel, revelaram pesquisadores.

Eles encontraram 32 sementes de tamareiras em diversos sítios arqueológicos localizados no deserto da Judeia. De acordo com oes pesquisadores, os frutos haviam amadurecido na época de Jesus Cristo, e, ainda assim, suas sementes puderam ser plantadas.

"Passei horas e horas no departamento de arqueologia colhendo as melhores sementes. Muitas delas tinham buracos onde os insetos haviam perfurado ou se desfizeram, mas algumas estavam realmente intactas e eu escolhi as melhores”, explicou Sarah Sallon, diretora do Centro de Pesquisa em Medicina Natural Borick da Organização Médica Hadassah em Jerusalém. Ela também é líder da pesquisa.

Das 32 sementes cultivadas pelos cientistas, seis brotaram. Como Sallon é judia, elas receberam nomes judeus encontrados no Antigo Testamento: Adão, Jonas, Uriel, Boaz, Judith e Ana.

Ao analisar as cascas de todos eles, foi possível perceber também que os grãos datavam de épocas diferentes — desde o século 1 a.C. até o século 4.

A pesquisa ainda revelou que essas antigas sementes de tâmara são maiores do que as que temos hoje em dia. De acordo com a líder do estudo, "as sementes de hoje ainda são cerca de 30% menores do que as cultivadas na Judeia há 2.000 anos".

Novos frutos

Não é a primeira vez que a equipe consegue cultivar sementes antigas: em 2008, eles relataram que germinaram uma semente de palmeira da Judéia de 1.900 anos de Masada - um local antigo estendido por Herodes, o Grande, no primeiro século aC, que vista para o mar morto. Essa planta, um homem, recebeu o nome de Matusalém, em homenagem ao personagem mais antigo da Bíblia.

Mas o novo estudo vai além - não apenas envolvendo mais sementes, mas esclarecendo o modo como os agricultores da Judeia podem ter cultivado as famosas plantas.

Pé de tâmara. (Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

E com as sementes recém-germinadas, incluindo as fêmeas, a descoberta pode dar mais frutos: a equipe diz que espera aplicar o pólen de Methuselah a Hannah (Ana) - que deve produzir uma flor nos próximos dois anos - com o objetivo de produzir tâmaras.

Os fragmentos de cascas datados de radiocarbono deixaram após a germinação para revelar que Hannah e Adam datam de algum lugar entre o primeiro e o quarto séculos aC. Judith e Boaz foram datadas de um período de 200 anos a partir de meados do século II aC, e Uriel e Jonas foram datadas de algum lugar entre o primeiro e o segundo séculos dC.

Enquanto algumas sementes levaram apenas algumas semanas para brotar, outras levaram meio ano. "Estávamos começando a desesperar e, de repente, eles surgiram", disse ela.

A análise genética revelou que, quanto mais velhas as sementes antigas, mais "oriental" parecia sua composição genética: Adam e Methuselah são os mais próximos das variedades do Golfo.

Isso, disse Sallon, pode refletir o tipo de árvores que cresceram naturalmente na Judéia na época, ou podem ter sido trazidas do Mar Vermelho da Arábia - uma antiga rota comercial.

Hannah e Judith estão mais próximas das variedades iraquianas modernas - algo que Sallon disse que pode estar relacionado ao retorno dos judeus do exílio na Babilônia no final do século VI aC, muitos dos quais haviam trabalhado em plantações datadas da Babilônia e podem ter trazido plantas de volta com eles.

Enquanto isso, Uriel, Boaz e Jonah tiveram uma alta contribuição genética das variedades a oeste do Egito e eram mais geneticamente semelhantes às variedades modernas do Marrocos. "A ocupação romana [da Judeia] era do primeiro século e é possível que naquela época eles estivessem trazendo variedades de datas do norte da África", disse Sallon.

Deixe um comentário