Descobertas fornecem pistas sobre a vida judaica na Galileia depois de Cristo

Parte do mosaico de 1.700 anos da era romana descoberto em Israel. (Foto: Assaf Peretz/ Autoridade de Antiguidades de Israel).

Parte do mosaico de 1.700 anos da era romana descoberto em Israel. (Foto: Assaf Peretz/ Autoridade de Antiguidades de Israel).

Publicado em Segunda-feira, 15 Julho de 2019 as 5:09

Historiadores haviam concluído que a vida judaica na região da Galileia tinha sido exterminada. Essa conclusão foi feita porque, depois de o cristianismo ter se espalhado por toda a Galileia durante os primeiros séculos depois de Cristo, os romanos lançaram o povo judeu em um exílio.

Agora, novas descobertas em uma antiga sinagoga do século V do Huqoq revelam que a vida judaica não apenas continuou, mas floresceu até mesmo na região mais identificada com o cristianismo nascente e os ensinamentos de Jesus.

Huqoq é uma aldeia localizada perto do Mar da Galileia, subindo a colina de Cafarnaum e não muito longe de Magdala. Esta é a região onde Jesus fez o Sermão do Monte e realizou a maioria de seus milagres.

Pedro cresceu em Cafarnaum e muitos dos apóstolos vieram dessa região. Magdala é o local de nascimento de Maria Madalena, uma das seguidoras mais próximos de Jesus e testemunha da sua crucificação, sepultamento e ressurreição.

Achados arqueológicos recentes em Magdala indicam a presença de crentes judeus messiânicos que adoravam na sinagoga da cidade.

O Huqoq também não fica longe de Nazaré, a cidade natal de Jesus e da vizinha Zippori, uma importante comunidade judaica onde outras descobertas arqueológicas ajudaram a entender o estilo de vida judaico de Jesus.

A ideia de que séculos de conquistadores cristãos conseguiram suplantar os judeus do que eles chamavam de "Terra Santa" está sendo desafiada pelas descobertas da sinagoga Huqoq.

Imagens retratam passagens da Bíblia

A sinagoga revela uma comunidade judaica rica e bem desenvolvida que continuou ininterruptamente na terra de Israel nos últimos 2000 anos, não apenas nas regiões mais cristianizadas de Israel, mas também em face dos invasores romanos, bizantinos, cruzados e finalmente muçulmanos.

"Os mosaicos que decoram o piso da sinagoga Huqoq revolucionam nossa compreensão do judaísmo neste período", disse o diretor das escavações Huqoq e professor de judaísmo na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill.

“A arte judaica antiga é frequentemente considerada anicônica ou carente de imagens. Mas esses mosaicos, coloridos e cheios de cenas figuradas, atestam uma rica cultura visual, assim como o dinamismo e a diversidade do judaísmo nos períodos romano e bizantino tardios”, disse Magness, em um comunicado à imprensa.

Uma das descobertas mais recentes na elaborada sinagoga Huqoq é um mosaico dos dois espias que voltaram de explorar a Terra Prometida carregando um poste com um cacho de uvas. Essa cena bíblica de Números 13:23 inclui a inscrição hebraica “um poste entre dois”.

Outra imagem que se refere a Isaías 11: 6 inclui a inscrição hebraica “uma criança pequena os guiará” e retrata um jovem guiando um animal por uma corda. A inscrição fragmentária hebraica conclui com a frase “Amém Selá”.

Um grande mosaico de pedra do herói bíblico Sansão na sinagoga Huqoq também é significativo, de acordo com a arqueóloga Magness, porque “apenas um pequeno número de edifícios antigos da sinagoga romana é decorado com mosaicos mostrando cenas bíblicas, e apenas dois outros têm cenas com Sansão (um está em outro local apenas a alguns quilômetros do Huqoq). A arte do mosaico, que é composto de minúsculos azulejos, juntamente com as grandes pedras usadas nas paredes, atesta a prosperidade da aldeia”.

Há duas outras figuras de Sansão carregando os portões de Gaza, e amarrando tochas acesas às caudas das raposas, um episódio do Livro de Juízes 15: 1-8. Durante uma batalha contra os filisteus, Sansão pega 300 raposas selvagens, amarra tochas nas caudas e as soltam para atear fogo nos campos de grãos dos filisteus. O mosaico também mostra duas faces humanas e uma inscrição hebraica prometendo uma recompensa àqueles que realizam boas ações.

As paredes e colunas das paredes da sinagoga foram pintadas em cores brilhantes, como testemunham os muitos fragmentos de gesso de revestimentos de parede pintados com corantes rosa, vermelho, laranja e branco.

Segundo os estudiosos, tudo isso e mais apontam para duas conclusões importantes. Apesar da alegação moderna dos palestinos e dos árabes de que não havia população judaica significativa em Israel depois de Cristo, grandes e prósperas comunidades judaicas continuaram a florescer na terra de Israel não somente depois de Cristo, mas por mais de 3000 anos, contra todas as probabilidades. Embora o cristianismo histórico tenha se esforçado para apagar sua própria herança e raízes no judaísmo, a Terra de Israel é uma testemunha contínua da conexão permanente e irrefutável entre Jesus, os judeus e a terra de Israel.

Deixe um comentário