Povoado de 9 mil anos é encontrado em escavações perto de Jerusalém

Dr. Hamoudi Khalaily (esquerda) e Dr. Jacob Vardi, diretores das escavações em Motza, em nome da Autoridade de Antiguidades. (Foto: Yaniv Berman/Autoridade de Antiguidades de Israel)

Dr. Hamoudi Khalaily (esquerda) e Dr. Jacob Vardi, diretores das escavações em Motza, em nome da Autoridade de Antiguidades. (Foto: Yaniv Berman/Autoridade de Antiguidades de Israel)

Publicado em Quinta-feira, 18 Julho de 2019 as 10:49

Restos do sítio neolítico perto de Motza, o maior já descoberto em Israel, mostram mistura de agricultura, caça, criação de animais de uma sociedade em seu apogeu, dizem arqueólogos.

Um assentamento neolítico sem precedentes - o maior já descoberto em Israel e no Levante, dizem os arqueólogos - está sendo escavado à frente da construção de uma estrada a cinco quilômetros de Jerusalém, anunciou a Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) na terça-feira (16).

O local de 9.000 anos é o "Big Bang" para pesquisa de pré-história devido ao seu tamanho e à preservação de sua cultura material, disse Jacob Vardi, codiretor das escavações em Motza em nome IAA.

Ferramenta encontrada no sítio de Motza. (Foto: Clara Amit, Autoridade de Antiguidades)

"É uma mudança de jogo, um sítio que vai mudar drasticamente o que sabemos sobre o período neolítico", disse Vardi. Alguns estudiosos internacionais já estão começando a perceber que a existência do sítio pode exigir revisões em seu trabalho, disse ele.

Até agora, acreditava-se que a área da Judeia estava vazia e que locais desse tamanho só existiam na outra margem do rio Jordão ou no norte do Levante. Em vez de uma área desabitada daquele período, encontramos um complexo, onde existiam vários meios econômicos de subsistência, e tudo isso apenas algumas dezenas de centímetros abaixo da superfície”, segundo Vardi e o codiretor Dr. Hamoudi Khalaily em um Comunicado de imprensa da IAA.

Cerca de meio quilômetro de ponto a ponto, o local teria abrigado uma população esperada de cerca de 3.000 habitantes. Nos termos de hoje, disse Vardi, a Motza pré-histórica seria comparável à estatura de Jerusalém ou Tel Aviv, "uma verdadeira metrópole".

De acordo com o comunicado de imprensa da IAA, o projeto foi iniciado e financiado pela Netivei Israel Company (a empresa de infraestrutura de transporte nacional) como parte do Projeto da Rota 16, que inclui a construção de uma nova estrada de entrada para o oeste a partir da rota 1 rodovia no Trevo Motza para a capital.

 

Segundo o codiretor Khalaily, as pessoas que viviam nesta cidade tinham conexões comerciais e culturais com populações disseminadas, incluindo a Anatólia, que é a origem de artefatos de obsidiana descobertos no local. Outros materiais escavados indicam caça intensiva, criação de animais e agricultura.

"A sociedade estava no auge" e parecia se especializar cada vez mais em criar ovelhas, disse Khalaily.

Ferramentas e objetos

Além de ferramentas pré-históricas, como milhares de pontas de flechas, machados, lâminas de facas e facas, galpões de armazenamento contendo grandes depósitos de legumes, especialmente lentilhas, foram descobertos. "O fato de as sementes terem sido preservadas é surpreendente à luz da idade do local", disseram os arqueólogos.

Ao lado de ferramentas utilitárias, várias pequenas estátuas foram desenterradas, incluindo uma estatueta de argila de um boi e um rosto de pedra, que Khalaily brincou ou era uma representação humana "ou alienígenas, mesmo".

 Estatueta de 9 mil anos de idade de um boi, descoberta durante escavações arqueológicas em Motza, perto de Jerusalém. (Foto: Clara Amit, Autoridade de Antiguidades)

No passado antigo e não registrado, bem como hoje, o local está situado às margens do Nahal Sorek e de outras fontes de água. O vale fértil está em um caminho antigo que liga a região de Shefela (sopé) a Jerusalém, disse o IAA.

“Estas condições ótimas são uma razão central para o estabelecimento de longo prazo neste sítio, desde o Período Epipaleolítico, cerca de 20.000 anos atrás, até os dias atuais”, de acordo com o comunicado de imprensa.

"Milhares de anos antes da construção das pirâmides, o que vemos no período neolítico é que cada vez mais populações se viram para viver em um assentamento permanente", disse Vardi. “Eles migram menos e lidam cada vez mais na agricultura”.

Edifícios

Entre a arquitetura descoberta na escavação estão grandes edifícios que mostram sinais de habitação, bem como o que os arqueólogos identificam como salões públicos e espaços usados ​​para o culto. Em um breve vídeo publicado pela IAA, a arqueóloga Lauren Davis percorre um caminho estreito entre restos de edifícios - um beco pré-histórico. “Muito parecido com o que vemos hoje em edifícios, separados por becos entre nós”, disse Davis.

Segundo os arqueólogos, este beco é “evidência do nível avançado de planejamento do assentamento”. Da mesma forma, os arqueólogos descobriram que o gesso às vezes era usado para criar pisos e vedar várias instalações durante a construção dos domicílios e edifícios dos moradores.

Sepulturas

Além de sinais de vida, os arqueólogos descobriram várias sepulturas. De acordo com Davis, no meio de uma camada que data de 10.000 anos atrás, os arqueólogos encontraram um túmulo de 4.000 anos atrás. "Neste túmulo estão dois indivíduos - guerreiros - que foram enterrados juntos com um punhal e uma cabeça de lança", disse ela.

“Há também um achado surpreendente”, disse Davis, “que é um burro inteiro, domesticado, que foi enterrado na frente da tumba, provavelmente quando eles o selaram.” Acrescentou Vardi, o burro foi aparentemente destinado a servir os guerreiros no mundo porvir.

De acordo com Amit Re'em, arqueólogo do Distrito de Jerusalém da IAA, apesar das obras na estrada, uma porcentagem significativa do sítio pré-histórico em torno da escavação está sendo preservada e tudo está sendo documentado.

Cada estrutura arquitetônica está sendo documentada por meio de modelagem 3D. “Quando terminarmos a escavação aqui”, disse Vardi, “poderemos continuar pesquisando o local no laboratório”, acrescentando que esse é um uso sem precedentes da tecnologia.

“Além disso, a IAA planeja contar a história do sítio no local por meio de uma exibição e ilustração. Na Tel Motza, adjacente a esta escavação, os restos arqueológicos estão sendo preservados para o público em geral, e as atividades de conservação e acessibilidade estão sendo realizadas em Tel Bet Shemesh e Tel Yarmut”, anunciou o comunicado da IAA.

Deixe um comentário