China força igrejas a trocarem personagens da Bíblia por ancestrais históricos em revista

A revista 'Heavenly Wind' é publicada mensalmente pelo Comitê Nacional do Movimento Patriótico das Três Autonomias e pelo Conselho Cristão da China. (Imagem: Bitter Winter)

A revista 'Heavenly Wind' é publicada mensalmente pelo Comitê Nacional do Movimento Patriótico das Três Autonomias e pelo Conselho Cristão da China. (Imagem: Bitter Winter)

Publicado em Quinta-feira, 7 Novembro de 2019 as 9:43

O Partido Comunista chinês está exigindo que a igreja protestante sancionada pelo estado do país use obras de arte que substituem personagens bíblicos como figuras de homens e mulheres ancestrais de sua cultura.

De acordo com a agência 'Bitter Winter', a revista 'Heavenly Wind' ('Vento Celeste') é publicada mensalmente pelo Comitê Nacional do Movimento Patriótico das Três Autonomias e pelo Conselho Cristão da China. Desde o início do ano, a arte da capa da revista apresenta ilustrações bíblicas “sinicizadas”, nas quais Jesus aparece conversando com chineses antigos em paisagens chinesas. A agência Bitter Winter adverte que isso “vai muito além da 'adaptação cultural' iconográfica tradicionalmente praticada por católicos e outros missionários”.

Por exemplo, Maria foi "personificada como uma antiga mulher chinesa", e o milagre dos cinco pães e dois peixes mostra Jesus alimentando os personagens "retratados com os cabelos amarrados em bolos tradicionais chineses". Além disso, Jesus é mostrado vestindo trajes tradicionais Han.

Um cristão de 70 anos da província de Qinghai disse à Bitter Winter que o governo comunista "sempre falou sobre uma desocidentalização" e "não permite que o povo chinês acredite no Deus dos estrangeiros".

"Mas eu nunca esperava que o Senhor Jesus e os santos através dos tempos fossem transformados em chineses", disse o cristão idoso. "Meus olhos se arregalaram quando vi Maria com o cabelo preso em um coque, como uma antiga chinesa. Isso é muito bizarro".

A sinicização da Bíblia na China vai além da imaginação. A edição de julho da 'Heavenly Wind' incluía gráficos comparando certas passagens das Escrituras com os ensinamentos de um livro escrito pelo filósofo chinês Zhu Bolu (1617-1688).

Por exemplo, o versículo da Bíblia: “Quem despreza o próximo comete pecado, mas como é feliz quem trata com bondade os necessitados!” (Provérbios 14:21), era considerado semelhante ao ditado de Confúcio: “Não há nada mais vergonhoso do que ter ciúmes da riqueza e poder dos outros; não há nada mais desagradável do que desprezar as pessoas pobres”.

"É como matar alguém com uma faca invisível", disse um pregador ao Bitter Winter. “Durante a Revolução Cultural, se você acreditasse em Jesus, o Partido Comunista o prenderia e mataria a céu aberto. Agora, o regime está gradualmente distorcendo a doutrina cristã em segredo. ”

De acordo com a agência Bitter Winter, a revista 'Heavenly Wind' "sempre foi um bom indicador do estado do cristianismo 'oficial' na China". Os cristãos do país estão preocupados com o fato de o governo estar usando a cultura chinesa tradicional para "substituir a Bíblia e distorcer os ensinamentos bíblicos", acrescentou.

Contexto

Em 2016, o presidente e líder do Partido Comunista Xi Jinping ordenou a sinicização de todas as religiões para garantir que elas sejam leais ao partido oficialmente ateu.

Desde então, em esforços para libertar a religião da influência estrangeira percebida, as autoridades chinesas fecharam igrejas, prenderam congregações e supostamente tentaram reescrever a Bíblia.

Em setembro, foi relatado que funcionários do governo chinês exigiram que os clérigos afiliados ao Movimento Patriótico das Três Autonomias na cidade de Yuzhou baseassem seus sermões em um livro que combina princípios bíblicos com os ensinamentos de Confúcio.

Um pastor da área de Yuzhou alertou que alguns dos argumentos do livro deturpam completamente alguns ensinamentos da Bíblia.

Em junho, várias igrejas das Três Autonomias na cidade de Qingdao, na província de Shandong, foram ordenadas pelo Departamento de Assuntos Religiosos a cantar novos hinos patrióticos escritos pelos conselhos cristãos sancionados pelo Estado, em vez de canções de adoração tradicionais.

O coro de um dos hinos incluía as frases: “A China é linda; A China é ótima; os filhos e filhas da China amam a China. ... Abençoe a China, ó Senhor".

A Missão Portas Abertas (EUA) classificou a China como o país de número 27 na lista de nações em que os cristãos enfrentam a mais severa perseguição por causa de sua fé.

A Portas Abertas alertou em seu relatório que "o aumento do poder do governo e o governo do presidente Xi Jinping continuam dificultando o culto aberto em algumas partes do país".

Deixe um comentário