Igrejas evangélicas socorrem milhares de vítimas em um dos piores terremotos na Albânia

Destroços causados por terremoto de 6,4 graus que atingiu a Albânia em 26 de novembro. (Foto: Reprodução/BosNewsLife)

Destroços causados por terremoto de 6,4 graus que atingiu a Albânia em 26 de novembro. (Foto: Reprodução/BosNewsLife)

Publicado em Quinta-feira, 5 Dezembro de 2019 as 1:18

Os trabalhadores humanitários dizem que as igrejas evangélicas estão entre as que prestam ajuda a milhares de albaneses que ficaram desabrigados, incluindo centenas de cristãos, após os terremotos mais mortais da Albânia em décadas.

O principal terremoto de magnitude 6,4 em 26 de novembro matou pelo menos 51 pessoas e feriu mais de 3.000, disseram autoridades.

No entanto, “em meio aos primeiros trabalhos de recuperação, o segundo terremoto ocorreu na quinta-feira às 20h30 hora local”, observou o Barnabas Fund, um grupo de ajuda e defesa cristã.

“Muitas pessoas estão dormindo em tendas e carros, ou apenas ao ar livre. Ou suas casas desabaram ou os prédios são inseguros demais para morar”, acrescentou o Barnabas Fund em comunicado à BosNewsLife.

"Pelo menos doze famílias cristãs tiveram suas casas destruídas e pelo menos três edifícios da igreja estão danificados e precisam de reforma", disse o grupo.

As áreas mais atingidas incluem a cidade portuária de Durres, uma popular área de férias na praia para os albaneses, a cerca de 30 quilômetros a oeste de Tirana, a capital.

A cidade vizinha de Thumane, no norte, também foi atingida e muitas escolas continuam fechadas, disseram as autoridades.

O primeiro-ministro da Albânia anunciou nesta quarta-feira (04), que estava satisfeito com o apoio internacional que conseguiu em uma cúpula da aliança militar da OTAN.

Edi Rama disse que discutiu as necessidades de seu país no encontro desta semana com o presidente dos EUA, Donald Trump, e outros líderes da Europa e do Canadá.

Reações positivas

Rama disse a repórteres que recebeu uma reação positiva ao seu plano de realizar uma conferência internacional de doadores sobre a tragédia que abalou um dos países mais pobres da Europa.

A União Europeia e as Nações Unidas estão coordenando esforços internacionais, incluindo os dos Estados Unidos, para ajudar a Albânia após o terremoto que afetou mais da metade dos 2,8 milhões de habitantes do país.

Ursula von der Leyen, a nova presidente da Comissão Europeia, disse que o ramo executivo da UE prometeu 15 milhões de euros à Albânia e que isso ajudará a organizar a conferência de doadores proposta.

Mas enquanto os políticos preparam a conferência, o Barnabas Fund disse que já está cooperando estreitamente com a Aliança Evangélica da Albânia para fornecer ajuda aos cristãos minoritários da Albânia e outros residentes.

Ele explicou que a Aliança está coordenando igrejas em todo o país para oferecer refeições quentes, tendas, cobertores, transporte e outros cuidados para as vítimas do terremoto "traumatizadas".

"Essas pessoas são realmente muito necessitadas", disse o pastor Gentjan, um ministro evangélico albanês que disse que mobilizou os membros de sua igreja para ajudar as vítimas do terremoto em seu país. Seu sobrenome não foi publicado em meio a algumas preocupações de segurança em várias partes do país, onde a maioria das pessoas é muçulmana.

Imagens obtidas pela BosNewsLife mostraram que os cristãos às vezes interrompiam seu trabalho entre os escombros, de mãos dadas e orando pela nação em dificuldades. O Barnabas Fund disse à BosNewsLife que, para a Albânia, "o quarto país mais pobre da Europa, esse desastre natural ocorre no pior momento possível, assim como o inverno está chegando".

Mais pressão

O terremoto aumentou a pressão sobre os cristãos convertidos na nação fortemente muçulmana, que busca a adesão à UE, sugeriram trabalhadores cristãos. "Os cristãos que deixaram o Islã para seguir a Cristo podem enfrentar muita oposição - até violência - de seus parentes muçulmanos, e o Islã radical está crescendo no país", disse o Fund Barnabas à BosNewsLife.

Ironicamente, o ateísmo também é "propagado ativamente", depois de décadas de comunismo, quando o país era uma das nações mais isoladas do mundo, explicou o Fundo Barnabas. "A Albânia foi dominada pelo Islã quando os comunistas chegaram ao poder em 1945. Em 1967, toda religião foi banida e se tornou o primeiro estado ateu do mundo, mas em 1991 o próprio regime comunista chegou ao fim".

Isso criou novas oportunidades para o islamismo radical se espalhar. Mas, apesar do Islã e do ateísmo permanecerem fortes, "a Igreja na Albânia também está crescendo, com muitas novas congregações de evangélicos começando nas últimas duas décadas", disse o Fundo Barnabas.

Ele instou seus apoiadores a ajudar as igrejas com presentes e orações.

Deixe um comentário