Missionários ameaçados de morte no México são protegidos por oração: “Fortaleceu nossa fé”

Ed e Denise Aulie atuam como missionários com os povos Nahuatl d Ch'ol no México. (Foto: Last Frontíers).

Ed e Denise Aulie atuam como missionários com os povos Nahuatl d Ch'ol no México. (Foto: Last Frontíers).

Publicado em Quarta-feira, 9 Junho de 2021 as 10:58

Durante mais de um mês, os missionários Ed e Denise Aulie sofreram ameaças de morte e tentativas de extorsão através de ligações telefônicas. O casal tem dedicado toda sua vida em missão entre os povos indígenas no México, principalmente com os índios Nahuatl de Veracruz e os Ch'ol de Chiapas. 

O trabalho dos missionários sempre encontrou opositores e há seis semanas, eles começaram a ser ameaçados para que fossem embora e parassem o trabalho missionário, que inclui projetos de alfabetização, agricultura, construção e ensino bíblico em aldeias indígenas. 

Ed e Denise relataram, em entrevista ao God Reports, que foram “semanas repletas de orações e lutas internas”. Os missionários decidiram pausar os trabalhos, pedir orações e conselhos de outros pastores, que já tinham passado pela mesma experiência de perseguição, com o propósito de saber qual a vontade de Deus para a situação.

Então, uma corrente de oração pela vida dos missionários foi levantada pela igreja no México, companheiros de ministério e familiares, e mensagens de apoio de todos os lugares chegaram até a família. E, milagrosamente, as ameaças e tentativas de extorsão pararam.

“As cartas de preocupação e encorajamento de vocês levantaram nosso ânimo e fortaleceram nossa fé! Suas orações específicas e direcionadas com versículos das Escrituras são incrivelmente apropriadas para esta situação. ‘Quem se levantará por mim contra os ímpios? Quem se posicionará a meu favor contra os malfeitores?’ (Salmo 94:16). As ligações pararam. Continuamos a confiar que Deus destruirá os ímpios que conspiram contra nós”, declarou o missionário.

Livramento em deslizamento de terra

Ed também testemunhou o grande livramento que sua família e apoiadores tiveram, após um deslizamento de terra durante a construção de uma cabana no centro das aldeias em que atuam. Na última sexta-feira (4), dois homens que trabalhavam no muro de contenção foram soterrados por uma avalanche de toneladas de lama de uma estrada na montanha.

“Num piscar de olhos, a aldeia inteira gritava, corria, cavava com as mãos para não cortar com pá ou picareta. As mães, filhos, esposas e vizinhos choravam incontrolavelmente. Foram dez minutos frenéticos até os homens serem encontrados vivos. Que misericórdia respirar ar puro! Um dos homens, Marcos, disse: ‘Foi como se tivéssemos nascido de novo’”, relatou Ed.

O missionário louvou a Deus pelo livramento, citando o Salmo 40: “Ele me tirou do poço da destruição, do barro lamacento, e colocou meus pés sobre uma rocha, tornando meus passos firmes”.

O casal Aulie que estava tentando se manter discreto para sua segurança, devido às ameaças, se viram no meio de um acontecimento noticiado pela mídia. 

“Perguntas vieram: ‘De quem era essa terra? Para quem esses homens trabalhavam? De onde você é? O que você faz?’ Durante o interrogatório, pude ver homens de outras aldeias que há muito se opõem ao nosso trabalho, tendo prazer em me ver sendo criticado pelo incidente. Durante anos, eles ameaçaram e queriam que nós partíssemos”, contou Ed.

O missionário foi responsabilizado pelo incidente e prometeu pagar as despesas hospitalares e apoiar as famílias durante a recuperação dos dois homens, que pela proteção de Deus, não tiveram um osso quebrado. 

Ed Aulie louvou a Deus pela proteção e livramentos durante as semanas de aflição que sua família passou e afirmou que ele e a esposa continuarão trabalhando no campo missionário nas aldeias no México.

“Por tudo isso, continuamos a examinar nossos corações e pedir ao Senhor para guiar nossos próximos passos. O privilégio de evangelizar, discipular e preparar a próxima geração de liderança é o nosso chamado. Tem sido nossa alegria constante tornar Cristo conhecido”, concluiu.

Deixe um comentário