Na Argélia, cristãos protestam contra o fechamento de 9 locais de culto em 12 meses

Cristãos argelinos protestam nas ruas pela liberdade de religião, outubro de 2019. (Foto:Reprodução/EF)

Cristãos argelinos protestam nas ruas pela liberdade de religião, outubro de 2019. (Foto:Reprodução/EF)

Publicado em Terça-feira, 15 Outubro de 2019 as 2:47

Centenas de cristãos protestaram pacificamente nos últimos dias contra a campanha governamental para fechar igrejas na Argélia. Nas ruas eles se manifestaram contra o fechamento “injusto” e pediram por "liberdade de culto sem intimidação".

Um dos cartazes, escrito em árabe e francês, dizia "Sr. Governador, pare o fechamento de igrejas".

Uma faixa trazia pedido semelhante: "Não ao fechamento injusto de igrejas".

Os manifestantes também pediram "derrogar a lei de 06/03 de 2006", uma ordem controversa usada para impedir as atividades das minorias religiosas.

Edifícios fechados, materiais bloqueados

“O fechamento das igrejas acontece arbitrariamente, sem chance de retirar os materiais dos locais de culto. Cadeiras, microfones, materiais, Bíblias, tudo está bloqueado”, disse, em entrevista à Evangelical Focus, uma fonte argelina que conhece bem as igrejas no terreno.

Várias igrejas locais mudaram seus pertences para outros locais de culto quando a intervenção dos policiais parecia iminente. Nove locais de culto protestante já foram fechados em 12 meses, sendo o último caso uma igreja em Tizi-Ouzou.

Campanha antiprotestantes

A ação do governo contra grupos protestantes se concentrou muito na região de Kabylie.

Alguns crentes da região veem isso como uma "provocação" do governo com o objetivo subjacente de provocar algum tipo de reação que poderia ser punida "com mão firme", disse a fonte.

No entanto, os líderes da igreja argelina pediram para manter uma atitude pacífica, sem expressar opiniões antigovernamentais nas mídias sociais e defender a liberdade religiosa, enquanto continuam a se engajar nas iniciativas de oração e jejum iniciadas em março.

A hostilidade do governo levou a uma "unidade mais forte do que nunca entre as igrejas". O crescimento significativo das comunidades protestantes cristãs nos últimos vinte anos pode ter levado a algumas discrepâncias em questões teológicas secundárias, mas essas foram agora reservadas "para enfrentar todas essas injustiças", disse a fonte argelina à Evangelical Focus.

As comunidades cristãs cujos locais de culto foram fechados encontraram a colaboração de outros grupos que estão oferecendo suas instalações. Cultos em casas também foram iniciados recentemente.

O governo da Argélia está passando por um período de transição confuso após a renúncia do presidente Abdelaziz Bouteflika.

Abdelkader Bensalah é o novo líder interino chamado para organizar novas eleições.

Mais igrejas em risco

Nos últimos dias, soube-se que mais duas igrejas na região de Kabylie poderiam ser fechadas à força. Até agora, as autoridades justificaram suas ações argumentando que a maioria dos locais de culto protestante não possui a licença exigida pela lei de 2006, conhecida como a ordem de 06/03.

A Igreja Protestante da Argélia (EPA, em francês), uma entidade formada há quatro décadas, que agora reúne mais de quarenta igrejas protestantes no país, denunciou que as comunidades cristãs solicitam essas licenças há muitos anos, mas as autoridades ignoraram intencionalmente seus pedidos para colocá-los em uma posição de ilegalidade.

Os especialistas argelinos em direitos humanos estão tentando abolir a lei.

A WEA exige fim de encerramento

A Aliança Evangélica Mundial (WEA) é uma das organizações internacionais que se posicionou a favor da Igreja Protestante da Argélia. A WEA abordou a situação nas recentes sessões de setembro do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra.

A instituição denunciou que “as igrejas estão em uma zona cinza legal de não reconhecimento, dando às autoridades a latitude para fechar um edifício após o outro”.

O órgão, que representa 600 milhões de cristãos evangélicos em todo o mundo, chamou para "encerrar a campanha contra as igrejas protestantes e revisar o processo de registro".

 

Deixe um comentário