Pastor de megaigreja prega para 500 presidiários no Texas: “Nós amamos muito vocês”

Centenas de presos se reúnem para culto da Igreja Gateway na H. H. Coffield, no Texas. (Foto: Reprodução/Igreja Gateway)

Centenas de presos se reúnem para culto da Igreja Gateway na H. H. Coffield, no Texas. (Foto: Reprodução/Igreja Gateway)

Publicado em Quarta-feira, 14 Agosto de 2019 as 3:42

O pastor e escritor Robert Morris pregou a quase 500 presos na maior prisão do Texas na quarta-feira (07), quando fez uma visita de surpresa ao mais recente campus da Gateway Church: o Gateway Coffield, que fica na unidade penitenciária H.H. Coffield.

A Unidade H.H. Coffield, no condado de Anderson, abriga mais de 4.000 presos e, desde que a igreja baseada em Southlake abriu seu Campus Coffield em novembro passado, centenas de detentos compareceram aos cultos e mais de 1.000 tomaram decisões por Cristo.

Morris, de 58 anos, foi recebido com todo o calor pela plateia e disse que estava ansioso para estar com eles.

Os presos estavam reunidos para ouvir a pregação do pastor do campus, Stephen Wilson. No entanto, eles se mostraram felizes quando Morris apareceu.

"Na verdade, estou mais feliz de estar aqui do que você está feliz por eu estar aqui", disse Morris aos detentos. "Eu estava ansioso por isso desde que começamos este campus", disse o pastor quando chegou.

"Nós amamos muito vocês e nossa visão quando começamos não era apenas fazer cultos, mas era ter uma igreja aqui", continuou ele. "A razão [disso] é porque você tem dons e chamados de Deus que você precisa usar para o reino de Dele", explicou o pastor.

O pastor fez a mesma pregação apresentada em outros sete unidades da Gateway no domingo anterior e disse aos presos que "todos cometemos erros".

"A Bíblia é bem clara sobre isso", enfatizou. "Todos pecaram. Todos ficaram longe da glória de Deus. Todos nós cometemos erros e, no entanto, Deus, em Sua graça, usa todos nós", enfatizou.

Morris explicou que figuras reverenciadas do Antigo Testamento, como Abraão, Moisés e Davi, eram todas "idiotas" até certo ponto.

Morris apontou para Abraão, a quem ele chamou de "pagão".

"Não havia nação de Deus. Na verdade, a nação de Deus começou com Abraão. [Foi] Abraão, Isaque, Jacó e depois os 12 filhos", disse ele ao explicar a formação das tribos de Israel. "Não havia dez mandamentos. Isso foi 500 anos depois. Abraão é um pagão e Deus aparece e diz: 'Eu quero falar com você'".

"Aqui está o que [Deus] diz [para Abraão], 'Eu vou te abençoar'", acrescentou Morris.

O pastor disse aos presos que Abraão não era santo. Mesmo depois que Abraão foi salvo, ele mentiu sobre sua esposa, dormiu com sua serva e teve um filho fora do casamento. Mas ainda assim, Deus escolheu abençoar Abraão.

"Eu espero que apenas mostrar a você que Deus não está bravo com você", avisou o pastor à multidão. "Deus realmente quer abençoá-lo, não importa o que o mundo lhe diga sobre Deus", disse.

A declaração de Morris recebeu fortes aplausos da multidão.

"Isso é tão surpreendente porque a igreja e a religião fizeram Deus como o cara mau", disse Morris. "E em toda parte na Bíblia, a única razão pela qual [Deus] aparece é [para] abençoar as pessoas. A razão pela qual Ele envia Jesus é para abençoar você".

Testemunho próprio

Morris refletiu sobre sua própria vida, lembrando que se envolveu em "drogas, imoralidade e todo tipo de lixo" durante sua criação no leste do Texas. Ele até detalhou como costumava tirar dinheiro das pessoas jogando sinuca no ensino médio.

"O que eu faria seria deixar a pessoa bêbada para subir a aposta e eu simplesmente limparia a mesa", Morris admitiu, acrescentando que foi espancado na primeira vez que ele empurrou alguém.

Mas, apesar disso, ele diz que Deus começou a usar os seus talentos para avançar o reino Dele.

"Quando eu costumava fazer avivamentos, o cara que cantava para mim era o quarto da nação no boliche universitário. Gostávamos de ir ao boliche. Ele arreliava os jogadores e eu apressava os jogadores da piscina", disse ele. "Mas o que faríamos é que, se [eles vencessem], teríamos que dar-lhes 20 dólares. Mas se [eles] perderem, [eles] terão que ir à igreja", lembrou.

“Como resultado desse esquema agressivo, 28 pessoas tomaram decisões por Cristo depois de irem à igreja, após uma derrota na piscina”, disse ele.

Coffield Campus

Segundo comunicado de imprensa, o Coffield Campus da Gateway opera de forma semelhante aos seus campi não-prisionais. Internos servem como recepcionistas, enquanto outros detentos operam os equipamentos de som, vídeo e áudio.

Wilson, o pastor do campus que também é pastor do campus de outra prisão de Gateway na Unidade Sanders Estes em Vênus, é um ex-detento que tem ministrado nas prisões por anos.

"Desde que começamos a ter os serviços da Gateway no Coffield, as vidas dos homens estão mudando", disse Allen Barker, capelão da Coffield, em um comunicado. "Homens que foram condenados por crimes estão revivendo suas vidas e se reconectando com suas famílias", contou.

Nem todos os detentos do Coffield podem comparecer aos cultos regularmente.

Enquanto 2.000 infratores de segurança mínima podem comparecer a cada semana, os presos de segurança média só podem comparecer em ocasiões especiais.

Embora os presos de segurança máxima não possam comparecer aos cultos, eles podem receber materiais da igreja, incluindo sua revista, devocionais e livros.

Deixe um comentário