Aluna cristã é suspensa por expor versículos bíblicos em resposta a cartazes LGBT

Gabby Helsinger foi suspensa por expor versículos bíblicos em resposta a cartazes LGBT em sua escola. (Imagem: Facebook - Reprodução)

Gabby Helsinger foi suspensa por expor versículos bíblicos em resposta a cartazes LGBT em sua escola. (Imagem: Facebook - Reprodução)

Publicado em Quarta-feira, 13 Março de 2019 as 9:15

Uma estudante cristã do ensino médio em Ohio (EUA) foi suspensa na semana passada depois de colar pequenos versículos bíblicos em armários e muros depois de ver bandeiras do orgulho LGBT e cartazes decorando os salões de sua escola.

Na sexta-feira passada (8), a mãe Tina Helsinger postou um vídeo em sua página no Facebook, mostrando sua filha, Gabby, explicando como ela acabou sendo penalizada com uma suspensão em sua escola, a 'Lebanon High School'.

"Então, na quinta-feira, quando cheguei à escola, vi que havia bandeiras de orgulho LGBT, cartazes em volta da minha escola", explicou Gabby no vídeo. "E senti a necessidade de escrever alguns versículos bíblicos para poder colocá-los em minha escola. Eu os anotei e os coloquei em volta dos armários, das paredes".

Helsinger explicou que, quando voltava do almoço, viu professores anotando os versículos da Bíblia que ela colocou.

"E no dia seguinte, fui chamada para a diretoria, onde me foi apresentada uma carta que dizia que eu tinha uma ISS, que é uma suspensão na escola, e a razão pela qual eu a tinha era devido a 'abuso de outros, desrespeito, falta de educação', porque eu coloquei os versículos da Bíblia 'para atingir a organização [Aliança Gay-Straight]", acrescentou.

Helsinger afirma que ela nem sabia o que a sigla GSA — usada pela organização LGBT — era ou significava.

“Eu vi que havia pessoas na minha escola que precisavam de ajuda. Eles não precisam estar vivos e se perguntando se deveriam ser gays, bi, lésbicas, trans, qualquer coisa assim”, afirmou Helsinger. “Eu sei que Deus é o único caminho pelo qual eles podem ser curados. É por isso que eu fiz isso. Eu não estava visando qualquer tipo de organização ou algo assim”.

“Quando fui chamada para a diretoria, [o diretor] estava falando comigo e ele questionou: 'Por que você colocou esses papéis aqui em cima?'. E eu respondi: 'porque eu queria espalhar a palavra de Deus'. Ele diz: 'Bem, você tem permissão?' E eu disse 'não", continuou ela em seu relato.

O superintendente Todd Yohey esclareceu ao site americano ‘FaithWire’ que o Código de Conduta do Estudante do distrito proíbe o compartilhamento ou publicação de textos religiosos ou imagens nas dependências da escola.

Yohey também enfatizou que a GSA tem o direito, assim como os clubes religiosos, de expor anúncios na escola durante o horário de funcionamento.

No entanto, Helsinger afirma que ela não sabia que precisava obter permissão para colar notas com versículos nas paredes.

“Porque as pessoas fazem muito isso - colocando post-its nos armários das pessoas”, lembrou Helsinger. “Então, eu acabei de fazer isso. Eu perguntei [ao diretor] por que a qualquer hora que Jesus, Deus ou qualquer coisa assim é exposto na escola, isso é tirado imediatamente. Mas podemos colocar coisas de gays e de orgulho LGBT em toda a escola e as pessoas podem falar sobre isso. Mas quando você fala sobre Deus ou Jesus, você simplesmente é atacado e você não tem permissão para falar sobre isso. ”

A mãe de Helsinger, Tina, não ficou muito satisfeita com a decisão da escola de punir sua filha e apelou da suspensão.

“Colar um versículo bíblico não é um abuso aos outros, desrespeito / insolência / grosseria e de modo algum teve como objetivo atingir a GSA”, argumentou a mãe. "Mas o diretor da escola, Scott Butler, diz que ‘Gabby estava alvejando a organização GSA’ e, que portanto, deve recorrer à ISS [suspensão]”.

Deixe um comentário