Prisão americana passa por 'despertar espiritual' através do serviço de capelania

Jim Babcock ministrando aos prisioneiros. (Foto: Reprodução/AG News)

Jim Babcock ministrando aos prisioneiros. (Foto: Reprodução/AG News)

Publicado em Quarta-feira, 4 Setembro de 2019 as 4:24

Nos últimos nove anos, Jim W. Babcock trabalha como capelão na prisão de segurança máxima do Departamento de Correções do Arkansas em Gould, oficialmente conhecida como Unidade Cummins.

Babcock é ligado às Missões Americanas das Assembleias de Deus e tem sido responsável por ajudar a desencadear um despertar espiritual na mais antiga e uma das maiores prisões do Arkansas.

A penitenciária possui 1.650 internos, 425 deles cumprindo sentenças de prisão perpétua. Uma parte significativa do trabalho de Babcock como capelão é entregar mensagens de morte a um preso sobre um parente ou a um parente sobre um preso.

Joshua K. Mayfield, administrador dos Serviços de Capelania do Departamento de Correções do Arkansas, observa que Babcock forneceu uma liderança estável com grande preocupação para os presos e funcionários desde que se tornou capelão sênior há mais de quatro anos.

"Ele prega, aconselha, ensina e ora", diz Mayfield. "Sob a liderança de Jim, 'oração o dia inteiro' se tornou um item regular no calendário da Cummins."

Mayfield diz que a liderança de Babcock é a principal causa do despertar espiritual que está ocorrendo atualmente nas instalações.

"O amor de Jim pela Unidade Cummins mostra sua vontade de envolver, interceder e servir sua equipe e os residentes", diz Mayfield.

Babcock, 60, não é estranho à vida na prisão. Ele é ex-alcoólatra e viciado em drogas, além de ex-criminoso no Oregon e na Califórnia. Babcock tornou-se cristão há 31 anos.

Por ser um ex-infrator, Babcock compreende a mentalidade dos homens encarcerados a quem ele ministra.

"Eu entendo os jogos e o modo de vida na prisão", diz Babcock. “Eu não sou intimidado por eles.

Respeito e compaixão

Apesar de parecer duro e soar áspero, Babcock tem o respeito dos prisioneiros. Isso acontece porque seu comportamento mostra bondade em relação a eles.

"Minha compaixão vem de saber como eles se sentem e meu entendimento de que, independentemente do crime, Jesus pode libertá-los", diz Babcock.

Babcock aprendeu que como ele transmite mensagens pode mudar a atitude de um preso em relação a ele e a Deus.

"Devo viver a Palavra que estou pregando", diz Babcock. “Posso dizer a um preso que Jesus o ama e pode mudá-lo, mas mostrar a ele que andar diariamente é o que realmente funciona mais do que qualquer outra coisa.”

Cristianismo autêntico

O capelão Daniel Odean, representante dos Ministérios Correcionais dos Ministérios de Capelania das Missões dos EUA da Assembleia de Deus, diz que Babcock representa o cristianismo autêntico para os presos.

"O capelão Jim Babcock é um homem chamado por Deus para trazer compaixão e esperança a pessoas feridas e perdidas na prisão, as quais Jesus identificou como 'as menores' em Mateus 25:40", diz Odean.

“Jim carrega corajosamente a luz de Jesus Cristo em um local muito escuro, fornecendo direção e liderança pastorais para aqueles que buscam a Deus”, testemunha Odean.

Salvação

Trazer a esperança de Jesus Cristo enquanto ministrava em uma prisão de segurança máxima pode ser um desafio. Os capelães pregam do púlpito aos presos da Cummins e os ensinam por meio do programa de Princípios e Aplicação para a Vida, baseado na fé, implementado pelo capelão das missões dos EUA, Bob C. Holyfield.

"Aprendemos a lidar com os manipuladores mestres que estão sempre jogando e querendo que violemos as políticas", diz Babcock, que recentemente atuou como representante do clero em quatro execuções. "Aconselhamos diariamente os internos sobre tristeza e outros problemas que possam ter".

Babcock afirma que aqueles que cumprem sentenças de prisão perpétua são mais fáceis de se conviver, enquanto os presos mais jovens são mais difíceis. Ainda assim, ele observa que muitos dos guardas precisam do Senhor em suas vidas tanto quanto os que estão atrás das grades.

Desde que chegou à Cummins em 2010, Babcock levou os homens à salvação em Cristo em seu escritório, enquanto aconselhava, do púlpito enquanto pregava e nas celas durante o bloqueio.

Babcock renunciou recentemente ao pastorear a Assembleia de Deus do Calvário, uma pequena congregação em Star City, Arkansas, para se concentrar exclusivamente no ministério da prisão.

"Os homens acham que Deus fará grandes coisas na Cummins e eu preciso liderar o caminho", diz Babcock.

Deixe um comentário