Cristãos da Espanha enfrentam o que chamam de “tirania da ideologia de gênero”

Campanha “Não se meta com meus filhos” chega à Espanha. (Foto: Reprodução/CMHNSM)

Campanha “Não se meta com meus filhos” chega à Espanha. (Foto: Reprodução/CMHNSM)

Publicado em Terça-feira, 12 Fevereiro de 2019 as 4:45

Líderes evangélicos na Espanha estão apoiando uma campanha global que quer devolver o controle aos pais sobre o que seus filhos devem acreditar e aprender segundo o que ensina suas famílias.

A campanha “Não se meta com meus filhos” (“Con Mis Hijos não Te Metas”, em espanhol) tem como objetivo reafirmar o controle dos pais sobre os valores familiares na formação de seus filhos, especialmente quando se trata de identidade de gênero.

Com a adesão à campanha, a igreja evangélica espanhola quer enfrentar o que chama de “tirania da ideologia de gênero.

Como um primeiro passo, as igrejas evangélicas estarão realizando um dia de oração em 28 de fevereiro próximo. Depois disso, serão realizadas sessões de treinamento que as igrejas farão a chegar aos líderes políticos e às instituições, tanto no nível local quanto nacional.

A campanha teve origem na América Latina, é acontece no Peru, Argentina, Colômbia entre outros. Agora está ganhando espaço em outros lugares de língua espanhola, à medida que mais pessoas se preocupam com tentativas de afirmar ideologias fluidas de gênero denominadas “novos direitos e regulamentos”, como a utilização dos banheiros nas escolas.

O movimento foi lançado em janeiro, no Centro Bethel, em Madri, e reuniu cerca de 250 líderes evangélicos de todo o país, que acabaram recebendo as informações dos líderes da campanha.

Christian Rosas, porta-voz do movimento na América Latina, usou seu tempo para defender o direito e a responsabilidade dos pais, além do Estado, em transmitir valores em seus filhos.

Em particular, ele disse que havia uma necessidade de empurrar de volta contra a “tirania da ideologia de gênero, que carece de fundamentos verdadeiros, mas pretende se impor globalmente como a única cosmovisão aceita”.

Ele esclareceu que “embora o movimento não seja uma defesa da moralidade cristã, por si só, é uma defesa da família, e como tal está preparado para fazer parceria com todos aqueles que compartilham as mesmas preocupações sobre a liberdade de consciência e o alcance do estado nas famílias, particularmente no que se refere à educação de crianças.

Em entrevista à Evangelical Focus, Christian Rosas disse que o movimento não é extremista, mas buscava “erradicar” a ideologia dominante de que gênero ao dizer que é uma escolha, “porque é falso”.

“Estamos chamando a igreja para se unir à verdade, que está em Cristo, sem se perder em seus próprios caminhos”, disse Christian Rosas.

Na Espanha, o movimento está trabalhando em estreita colaboração com a igreja. Seu grupo de coordenação nacional inclui membros da Fraternidade Pentecostal e Carismática da Espanha e da Aliança Evangélica Espanhola.

Eles também participarão de uma marcha por Madri planejada pelo movimento de setembro.

Deixe um comentário