Haddad, Ciro e Boulos assinam compromisso com a comunidade LGBT

Os candidatos do PT, PSOL e PDT assinaram a Plataforma LGBTI+ Eleições 2018. (Foto: Reprodução)

Os candidatos do PT, PSOL e PDT assinaram a Plataforma LGBTI+ Eleições 2018. (Foto: Reprodução)

Publicado em Quinta-feira, 4 Outubro de 2018 as 10:13

Dentre todos os candidatos à Presidência da República, apenas os representantes de partidos de esquerda assumiram compromisso com a comunidade LGBT: Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL).

Os três candidatos assinaram a “Plataforma LGBTI+ Eleições 2018”, criada como meio para concorrentes aos cargos públicos firmarem seu compromisso com a comunidade LGBT.

Entre as propostas da Plataforma estão a aprovação do marco legal que puna criminalmente as discriminações, discursos de ódio e violências, além da criação de políticas públicas para a população LGBT.

A Plataforma já recebeu a assinatura de 24 candidatos a Senador, 134 candidatos a Deputado Federal, 174 candidatos a Deputado Estadual e 10 candidatos a Governador, entre pessoas que se declaram LGBT ou aliadas à causa. Em sua maioria, os políticos estão filiados a partidos como PT, PSOL, PDT, PPS, PCdoB e REDE.

Ciro e Boulos já haviam assinado o termo de compromisso desde seu lançamento, no dia 16 de agosto. Haddad aderiu à plataforma na última segunda-feira (1º) e escreveu uma carta para a Aliança Nacional LGBTI+, organização que promove a defesa dos direitos de gays, lésbicas, bissexuais e trans.

“Manteremos nosso firme compromisso com a garantia dos direitos humanos da população LGBTI+”, declarou Fernando Haddad.

Ao assinar o termo, os candidatos à Presidência de República se comprometem com a comunidade a “implementar rede de prevenção e proteção contra a discriminação e a violência para pessoas LGBTI+” e “zelar pela defesa do Estado Laico, Democrático e de Direito”.

A Aliança Nacional LGBTI+ entrou em contato com todos os presidenciáveis, menos com o candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, que já declarou anteriormente que respeita a opção sexual de cada cidadão, mas repudia a promoção da ideologia de gênero nas escolas.

A associação ainda não obteve retorno de outros presidenciáveis. “A Marina está estudando e o pessoal da diversidade tucana está vendo com o Alckmin. Dos outros não obtivemos resposta”, disse Toni Reis, diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI+, que também não espera por uma resposta positiva do candidato Cabo Daciolo (Patriota).

Empresas que defendem a causa

No mês passado, 32 empresas e instituições assinaram a “Carta de Apoio à Diversidade, ao Respeito e à Inclusão de Pessoas LGBTI+ nos Locais de Trabalho no Brasil”, em que pedem aos candidatos à Presidência de República que reconheçam a importância da diversidade e inclusão nos postos de trabalho.

Entre as empresas que assinaram a carta, estão Microsoft, Google, LinkedIn, Uber, Nike, Gol, o banco de investimento JPMorgan e os escritórios de advocacia Machado Meyer e Pinheiro Neto.

Deixe um comentário