"Deus é maior que o que aconteceu", diz mãe que viu seu filho de 5 anos ser degolado

Shirley Ruffy (esquerda) perdeu seu filho Joshua em uma tragédia que chocou o país. (Foto:

Shirley Ruffy (esquerda) perdeu seu filho Joshua em uma tragédia que chocou o país. (Foto:

Publicado em Sexta-feira, 9 Fevereiro de 2018 as 10:43

"Tudo estava acontecendo tão rápido", disse Shirley Ruffy quando ela se lembrou do dia em que seu filho de apenas cinco anos, Joshua, foi brutalmente assassinado em sua própria casa, no estado da Virginia (EUA).

Era 2009 e uma tarde aparentemente normal, quando o inferno parecia ter aberto suas portas naquele local.

"Naquela manhã, antes da hora do almoço, Joshua estava brincando com seu pai", disse ela. O garoto era o único filho do casal.

"Minha vida começou a virar de cabeça para baixo quando Joseph [pai] veio com uma longa faca de cozinha serrilhada e ele estava tentando decapitar Joshua. E no processo disso eu estava tentando salvar Joshua, e então a faca que lhe cortava o pescoço e carne e ossos, estava cortando minhas mãos e minha carne e ossos", explicou Ruffy.

Ruffy disse que seu marido matou o próprio filho porque ele "não queria que a criança perdesse sua salvação".

"Eu vi que Joshua não estava mais vivo e simplesmente me lembro de ter sido sobrenaturalmente levada para fora, porque minhas mãos estavam tão cortadas que não conseguia abrir a pequena maçaneta para sair de casa", explicou.

As feridas físicas de Ruffy devido às tentativas de salvar a vida de seu filho foram tão graves, que ela não conseguiu usar as mãos por cinco meses.

Durante esse tempo, Deus começou a trabalhar em suas feridas emocionais profundas.

"Houve momentos em que eu só queria morrer. Houve momentos em que eu queria entrar no carro e simplesmente bater ou pegar uma garrafa", disse ela. "Eu estava com medo de viver mais um dia, porque pensava que algo pior do que isso poderia acontecer".

Ironicamente, foram suas mãos feridas que a impossibilitaram de agir, guiada por seus pensamentos autodestrutivos. Então, ela se voltou para Jesus.

"Inicialmente, senti-me sozinha e abandonada. Mas eu sei que naquele momento havia apenas uma maneira de continuar a viver, e isso chegou diretamente ao coração de Deus", contou.

Ruffy se aprofundou ainda mais em sua leitura da Bíblia, como nunca havia feito antes. Ela se apegou a várias escrituras, incluindo Romanos 8:28: "E nós sabemos que, em todas as coisas, Deus trabalha para o bem daqueles que o amam".

No entanto, ela não conseguia entender por que um Deus tão bom permitiria que ela testemunhasse o assassinato de seu próprio filho pelas mãos de seu marido.

"Eu estava segurando a Bíblia e dizendo 'isso é tão terrível, tão horrível, como você pode transformar isso em algo bom?", Lembrou Ruffy.

Embora ela soubesse que talvez nunca teria suas perguntas respondidas ainda em vida terrena, ela sabia que poderia confiar em uma coisa: o coração de Deus.

"O que eu sabia sobre o coração Dele é bom e é gentil. E eu sabia que quando eu estava passando por isso ele também estava triste pela minha situação ... Eu tinha que saber e acreditar que Deus é maior que o que aconteceu" ela disse.

Anos mais tarde, seu marido foi libertado depois de passar um tempo em uma instituição mental. Ela diz que o perdoa.

"Já fazia muito tempo que perdoei o que fizera. Não é algo da minha força que consegui fazer. Foi por graça de Deus", explicou.

Hoje, Ruffy usa seu testemunho para ajudar a curar e incentivar outros que perderam membros da família.

"Você não está sozinho", disse ela, dirigindo-se aos que também estão sofrendo.

Ruffy também os encoraja a se apegar a Jesus e saiba que ele se preocupa com eles.

"Deus não está apenas presente, ele é pessoal", disse ela.

Deixe um comentário